Seguidores

sábado, 30 de maio de 2020

TECENDO TROVAS - DALINHA CATUNDA E MURILO BARROSO

TECENDO TROVAS
*
MURILO BARROSO
Eita, poetisa arretada
Cordelista de primeira,
Logo, será consagrada
Na cultura brasileira.
.*
DALINHA CATUNDA
Na cultura Brasileira
Vejo mulher a granel
Saindo na dianteira
Pra produzir seu cordel.
*
MURILO BARROSO
Tu mereces um Laurel,
E, até digo, muito mais.
Já sei que tu és capaz
De enaltecer o cordel.
*
DALINHA CATUNDA
De enaltecer o cordel
Eu vivo tenha certeza
Por ele saio a tropel
Propagando essa riqueza.
*
MURILO BARROSO
Parabéns pela grandeza,
Pela rima, pela métrica,
Pela mensagem poética
Digna, de uma princesa.
*
DALINHA CATUNDA
Digna de uma princesa,
Fazendo belo papel
Em cada trova a beleza
Mostrou-nos o menestrel.
*
Xilo de Cícero Lourenço
dalinhaac@gmail.com

quinta-feira, 28 de maio de 2020

A DUPLINHA NO MOTE DE HELIODORO MORAIS




"UMA PORCA PERDE A ROSCA
MAS NÃO ENTRA EM PARAFUSO"
*
GLOSA DE BASTINHA JOB
Eu já perdi o juízo
Porém doida não fiquei;
Maus momentos já passei
Mas do pranto fiz sorriso
Do inferno fiz paraíso.,
Da moda que eu fiz uso
É mel em que me lambuzo
E fez minha rima fosca:
"UMA PORCA PERDE A ROSCA
MAS NÃO ENTRA EM PARAFUSO"
*
GLOSA DE DALINHA CATUNDA
Sempre fui muito teimosa
Assim minha mãe dizia.
Dessa minha teimosia
Nunca ficou orgulhosa.
Eu seguia toda prosa,
Deixando o povo confuso,
Destilava meu abuso,
Com minha linguagem tosca:
"UMA PORCA PERDE A ROSCA
MAS NÃO ENTRA EM PARAFUSO"
*
MOTE DE HELIODORO MORAIS
 dalinhaac@gmail.com

segunda-feira, 25 de maio de 2020

A DUPLINHA GLOSANDO NA REDE


A DUPLINHA GLOSANDO NA REDE
.
Se a gente sentir desgosto,
A poesia nos consola
Ela é mestra, é a mola

E nem nos cobra imposto;
Ao contrário, nos dá gosto
É catarse, é emoção
E pode ser remissão
Para o pobre penitente:
"MEU VERSO É COMO A SEMENTE
QUE BROTA EM CIMA DO CHÃO".
.
Mote: Dão de Jaime
Glosa: Bastinha Job
.
Quando a dor bate no peito
E a alegria também
O verso me leva além.
Com poeta é desse jeito
A inspiração não rejeito
Pois é nessa ocasião
Que versejo com paixão
Aquilo que o peito sente:
MEU VERSO É COMO A SEMENTE
QUE BROTA EM CIMA DO CHÃO.
.
Mote: Dão de Jaime

Glosa: Dalinha Catunda

domingo, 24 de maio de 2020

PARCEIRAS NO CORDEL III - Dalinha Catunda e Fatima Correia


Da série: PARCEIRAS NO CORDEL- III
*
Nossa grande parceria
É no palco e no cordel
Vivendo cada papel
Você me traz alegria
E o público contagia
Em cada apresentação
A minha admiração
Tem a Fatima Correia
Que sempre nos presenteia
Com a sua atuação.
*
Da série Parceiras na Literatura de Cordel
Hoje a Homenageada é cordelista Fátima Correia
Versos e foto de Dalinha Catunda
dalinhaac@gmail.com

terça-feira, 19 de maio de 2020

GRAVIDEZ PRECOCE



GRAVIDEZ PRECOCE
1
Que tudo tem o seu tempo
Eu não posso discordar
As vezes nós temos pressa
Mas só por ignorar
Que sofremos consequência
Quando na adolescência
Não paramos pra pensar.
2
O certo é que precisamos
Ter uma orientação
Porém jovem não aceita
De pai de mãe o sermão
Por não querer escutar
Acaba enfim por pagar
O preço da transgressão.
3
Nós somos donas do mundo
No auge da mocidade
Audazes e corajosas
Com a força da pouca idade
Voamos sem ter noção
Sem consultar a razão
Pois é nossa a liberdade.
4
E é nessa ingenuidade
Ignorância talvez
Que inadvertidamente
Chegamos a gravidez
Onde a vida se complica
O corpo se modifica
Perdemos a solidez.
5
Uma gravidez precoce
Com certeza altera a vida
E quando a barriga cresce
Você se sente perdida
E nem sempre é apoiada
Achando-se desprezada
Chora então desiludida.
6
As vezes quem faz o filho
Não toma a paternidade
Muitas vezes por ser jovem
Sem responsabilidade
Faz um filho sem querer
Numa transa por prazer
Só pra matar a vontade.
7
Se não pensamos em nós
Imagine no inocente
Esse chegará ao mundo
Por uma ação imprudente
Qual será nossa esperança
Se apenas somos criança
Brincando de fazer gente.
8

sábado, 16 de maio de 2020

CIRANDA E BONECA


CIRANDA E BONECA
*
Eu de boneca em boneca
Vou alegrando o meu dia
Fazer bonecas de pano
Sempre me traz alegria
E com essa brincadeira
Eu fiz uma cirandeira
Que saiu como eu queria.
*
Vou fazer mais cirandeiras
Que é para representar
O grupo de cordelistas
Que gostam de cirandar
E fazem bem seu papel
Na ciranda do cordel
Na cultura popular.
*
Versos e fotos de Dalinha Catunda cad. 25 da ABLC
Bonecas, artesanato feito por Dalinha Catunda
dalinhaac@gmail.com

terça-feira, 12 de maio de 2020

PARCEIRAS NO CORDEL- II Dalinha Catunda e Rosário Pinto


PARCEIRAS NO CORDEL - II
Dalinha Catunda e Rosário Pinto
*
No caminho da poesia
E na estrada do cordel
Vou cumprindo meu papel
Nos passos do dia a dia
Exaltando a parceria
Que pra mim é relicário
Eu com Maria Rosário
Propagamos a cultura
Do Cordel Literatura
Mostrando verso e cenário.
*
Da Série Parceiras na Literatura de Cordel.
Hoje a homenageada é a cordelista Rosário Pinto.
dalinhaac@gmail.com

sábado, 9 de maio de 2020

PARCEIRAS NO CORDEL I - BASTINHA JOB E DALINHA CATUNDA


BASTINHA JOB E DALINHA CATUNDA
*
O cordel deu-me parceiras
Trouxe amizades também
A Bastinha quero bem
Adoro suas brincadeiras
Nós duas somos matreiras
Na trama do versejar
Para ninguém duvidar
Nós formamos a DUPLINHA
 Juntar Bastinha e Dalinha
É pra dar o que falar.
*
Hoje comecei uma série com minhas queridas parceiras de Literatura de Cordel.
Vou homenageá-las com uma estrofe, que serão postadas no meu blog, Cantinho da Dalinha, assim vamos formando um histórico dessas parcerias.
Versos e fotos de Dalinha Catunda
dalinhaac@gmail.com

DALINHA E JOAMES NA MUDA


NA MUDA
*
JOAMES
Muitos dizem: sou assim
E assim vou continuar,
Não adianta conselho
Para me fazer mudar!
Já eu mudo todo dia
Procurando melhorar.
*
DALINHA
Amigo vou lhe contar
Eu mudo até de quimera
O inverno me deixa triste
Renasço na primavera
E quando chega o verão
Minha alegria acelera.
*
Xilo de Cícero Lourenço
dalinhaac@gmail.com


sexta-feira, 8 de maio de 2020

SOU DA LINHA DO CORDEL


SOU DA LINHA DO CORDEL
*
Sou Cordel de Saia
Cordel de vestido
Cordel feminino
Cordel atrevido
Cordel de Calcinha
Cordel de Dalinha
Cordel divertido.
*
Sou manha e gracejo
Sou verso ladino
Sou canto nascido
No chão nordestino
Sou nesse universo
Cabocla do verso
Santo e libertino.
*
Sou alma do verso
Sou rima no ar
Sou dedos que contam
Pra metrificar
Sou inspiração
Dou voz a oração
No palco a cantar.
*

Versos e fotos de Dalinha Catunda
dalinhaac@gmail.com