Seguidores

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

SERTÃO, BENDITA LEMBRANÇA

SERTÃO, BENDITA LEMBRANÇA
*
Relembro o tempo passado
Que na memória guardei
A casa onde eu morava
A vida que eu levei
Nem tinha televisão
Mas ali, naquele chão
O melhor tempo passei.
*
No velho fogão a lenha
A minha mãe cozinhava
O abano atiçava o fogo
A caça na brasa assava
Com preá e avoante
Naquele tempo distante
A família se fartava.
*
De chafariz ou cacimba,
Meu caro amigo anote
Era a água de beber
Que se botava no pote
Ou mesmo numa quartinha
Água ficava fresquinha
Caneco tinha um magote.
*
No caneco de alumínio
Tinha meu nome gravado
E cada irmão tinha o seu
Mamãe tinha este cuidado
E pra não entrar caçote
Uma boina tinha o pote
Com laço bem amarrado.
*
Naquele velho sertão
Que vivi quando menina
Por lá se dormia cedo
Luz era só lamparina
E ainda pro meu regalo
Lá se acordava com o galo
Linda aurora nordestina.
*
A lembrança quando bate
Desperta minha saudade
Recordo a vida singela
E a minha felicidade
Os costumes do sertão
Que jamais se apagarão
Da minha realidade
*
Rio de Janeiro, 09/02/2016

Versos e fotos Dalinha Catunda

EVITE A PICADURA

EVITE A PICADURA
*
Amigo isto é verdade
Eu falo porque convém
Fuja da picadura
Suprima os ovos também
E tenha todo cuidado
O mosquito é abusado

E não respeita ninguém.
*
Versos - Dalinha Catunda
Charge - Alex Ponciano

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Vou de vagalume

Vou de vagalume
*
Pra brincar o carnaval
Consultei o meu guru
Sem dinheiro pro cocar
Botei pena de urubu
A roupa a gente resume
Vou tal qual o vagalume
Só com luz no mucumbu.
*

Versos e foto de Dalinha

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

GENTE BESTA



GENTE BESTA
*
DALINHA CATUNDA
Tem muita gente no mundo
Que não tem nem um tostão
Porém só quer ser as pregas
Quase não pisa no chão
Com o nariz empinado
Não perde o rebolado
Mas morre de precisão.
*
RAINILTON DE SIVOCA
Eu detesto o pobre besta
Que é metido a ricão
Que não paga o que deve
Pra viver de ostentação
Usando perfume caro
E andando só em carrão.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

NA INVERNADA

NA INVERNADA
*
Quando finda a estiagem
Quando chove no sertão
Tudo fica diferente
Brota logo a plantação
A chuva cai todo dia
Biqueira faz melodia
Quando o pingo cai no chão.
*
Relâmpago risca o céu
Vejo o corisco brilhar
O barulho do trovão
Não chega a me assustar
Por detrás do nevoeiro
A serra some ligeiro
Parecendo se encantar
*
A brisa que sopra mansa
Logo vira vento forte
Nos braços da ventania
Cai a chuva muda a sorte
Cheiro de terra molhada
Anuncia a invernada
Novo rumo, novo norte.
*
A caatinga se refaz
Faz mágica a natureza
A grota enche o açude
Na força da correnteza
O rio bota enchente
Meu olhar segue a corrente
Perde-se na boniteza.
*

Versos e foto de Dalinha Catunda

quarta-feira, 13 de janeiro de 2016

- A TERRA ESPERA CHORANDO/ AS LÁGRIMAS QUE VÊM DO CÉU.


- A TERRA ESPERA CHORANDO
AS LÁGRIMAS QUE VÊM DO CÉU.
*
PEDRO ERNESTO
O olho d’água não vê,
a correnteza não corre,
o morro geme e não morre
e a previsão não prevê;
o vento não diz porque
o trovão se tornou réu,
o silêncio do xexéu
todo mundo está notando
- A TERRA ESPERA CHORANDO
AS LÁGRIMAS QUE VÊM DO CÉU.
*
DALINHA CATUNDA
O sertanejo faz prece
Reza para São José
Porém logo perde a fé
Na estiagem padece
De chuva ele carece
E sem fazer escarcéu
Tira e bota seu chapéu
Taciturno observando
- A TERRA ESPERA CHORANDO
AS LÁGRIMAS QUE VÊM DO CÉU.
*
RAUL POETA
O sertanejo padece
com a secura do açude,
animal perde a saúde,
o solo só endurece,
a esperança falece,
o tempo torna-se incréu,
tudo vira um fogaréu
furioso e calcinando
- A TERRA ESPERA CHORANDO
AS LÁGRIMAS QUE VÊM DO CÉU.
*
Mote de Pedro Ernesto

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

EU SOU O SERTÃO!




EU SOU O SERTÃO!
*
Nas terras alencarinas
Eu nasci e me criei
Não foi por causa da seca
Que de lá eu desertei
Parti pra me libertar
E aprender a voar
Migrante assim me tornei.
*
Mesmo desertificado
Eu não largo meu sertão
Viajo pra todo lado
Mas não esqueço meu chão
O mato pode secar
O meu açude rachar
Não mudo de opinião!
*
Sou ave de ribaçã
Não esqueci o roteiro
Vivo entre o Ceará
E o Rio de Janeiro
Tatuei no coração
O retrato do sertão
O meu reino verdadeiro.
*
E quem nunca tibungou
No rio de sua aldeia
Quem nunca namorou
Ao clarão da lua cheia
Quem ao som dum sanfoneiro
Não se enroscou num terreiro
Num chamego que enleia.
*
Só sabe o que é sertão
Quem bebeu água de pote
Já tomou banho de cuia
E sabe o que é um xote
E antes de ser beijada
Já ficou arrepiada
Com o cheiro no cangote.
*
O nordeste é terra quente
Por isso gosto de lá
Sou filha das Ipueiras
Que fica no Ceará
Pertinho do Piauí
Vou ficando por aqui
E jamais ao Deus dará.
*

 Dalinha Catunda

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

ANO NOVO VELHO BRASIL


ANO NOVO VELHO BRASIL
*
Êita minha pátria amada
Ó saqueada nação
Entra ano e sai ano
Sem rumo sem solução
Lei aqui não se assevera
Por isso é que prolifera
 No país tanto ladrão.
*
Somente louco acredita
Que tudo vai muito bem
A lama que corre agora
Correrá ano que vem
E o Brasil desgovernado
Podre e contaminado
Virou terra de ninguém.
*
Eu nem sei se Deus daria
Jeito na situação
Roubar é coisa antiga
Já é velha a profissão
E nem Jesus foi poupado
Pois na cruz foi colocado
Ladeado por ladrão.
*
O Brasil hoje é Jesus
Sendo crucificado
É um país promissor
Porém mal acompanhado
E caso não abra mão
De acoitar tanto ladrão
Acabará sepultado.
*
Versos de Dalinha Catunda

charge sponholz

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

O PRESENTE PREFERIDO

O PRESENTE PREFERIDO
*
Sempre que chega o Natal
Recordo o tempo passado
E a minha lembrança vem
O que mais ficou marcado
Meu presente preferido
Com certeza o mais querido
Que sempre será lembrado.
*
Não era um presente caro
Porém achava perfeito
O meu olhar de criança
Não encontrava defeito
E replena de alegria
Brincava e me divertia,
Ele era o meu eleito.
*
Uma caixinha pequena
Pertinho do meu sapato
Uma agradável surpresa
Sem fita sem aparato
Mas num papel de presente
Eu abri toda contente
Inda me lembro do ato.
*
Qual não foi minha surpresa
Quando abri a tal caixinha
Pois nela tinham três ovos
E por cima uma galinha
Que de cara eu achei bela
Era de cor amarela
Com crista bem vermelhinha.
*
Ela tinha entre as asas
Uma pequena entrada
Para colocar os ovos
Com engenho arquitetada
Depois de uma apertadinha
Agachava-se a galinha
E cada ovinho botava.
*
Brinquei tanto com a galinha
Pois era uma novidade
Sentia-me das meninas
A mais feliz da cidade
E brinquei até quebrar
As molinhas de agachar
Em uma fatalidade.
*
Essa lembrança bonita
Guardei em minha memória
São nacos da minha infância
Pedaços da trajetória
Etapas da minha vida
Intensamente vivida
Mais um ponto na história.
*
Versos de Dalinha Catunda

Foto www.pinterest.com

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Dalinha Catunda e Regiopidio Gonçalves

REGIOPIDIO GONÇALVES
Desejo de coração 
Pra senhora e para os seus
Que a luz do filho de Deus 
Atravesse seu portão 
Que a bondade e o perdão 
Do Deus pai celestial 
Traga uma paz sem igual
Cobrindo o lar de alegria 
De amor e de harmonia 
Nessa noite de Natal.

*
DALINHA CATUNDA
Querido amigo poeta
Amante da poesia
Recebo com alegria
Essa mensagem seleta
Com minha alma repleta
De natalina emoção
Anseio de coração
Que o filho de Deus Jesus
Seja seu guia sua luz
Sua eterna inspiração.
*
Foto do acervo de Dalinha Catunda