Seguidores

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

CAFÉ COM MACAXEIRA

CAFÉ COM MACAXEIRA
*
Moço não é brincadeira
Na alta da macaxeira
Vou pegar minha peixeira
Vou voltar pro meu sertão
Vou enfiar a piroca
Lambuzar a tapioca
Vou vender é mandioca
Pro café desta nação.
*
Foto e versos de Dalinha Catunda

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

NO TANGER DA BOIADA

NO TANGER DA BOIADA
*
Os antigos já diziam,
E este dito eu abono,
Que só se amarra o burro
A vontade do seu dono
Em qualquer situação
Respeito essa condição
Mesmo que me furte o sono.
*
O que faz você sorrir
Pode me fazer chorar
O que a mão cruel plantou
Eu vejo se propagar
Diante do ferro quente
A boiada obediente
É fácil de se tocar.
*
Se a boiada estourar
O castigo é passar fome
O bornal carrega o ferro
Que tatuou o seu nome
Bote a cara no cabresto
Enfie a boca no cesto
Fique sem brio e sem fome.
*
Na vaquejada da vida
Quem tem o laço na mão
Também tem a garantia
De assistir o boi no chão
Que depois de dominado
Pelo rabo é segurado
Ante o aplauso do patrão.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

BESTEIROL


BESTEIROL
*
Já trepei na cumeeira
De lá espiei o chão
E na hora de coisar
Dispensei o meu colchão
Eu gosto duma zoeira
Mas nunca fui Zé Limeira
Pois é muita pretensão.
*
Eu já briguei com diabo
Fiz as pazes com Jesus
Com medo do satanás
Eu fiz o Sinal da Cruz
Lá no confessionário
Levei pro senhor vigário
Prato e meio de cuscuz.
*
Eu parti a rapadura
Dela fiz pé-de-moleque
Acabei na sepultura
Meu carro perdeu o breque
Num dia de pouco vento
Eu me escanchei num jumento
E me abanei com um leque.
*
Não tenho medo de arame
Não sendo ele farpado
Pulei cerca de faxina
Pra ver um cabra safado
Quando ele deitou no chão
Esbarrou num cansanção
E brochou lá no cercado.
*
A lua nasceu bonita
Por detrás lá do serrote
Eu sei que você tem sede
Mas eu vou quebrar o pote
Eu gosto de cobra cega
A que enxerga não me pega
Porque só come caçote.
*
Quando a seca sapecava
O povo do meu sertão
Eles vinham pra São Paulo
Em busca de salvação
Agora a coisa mudou
São Paulo também secou
Quem me disse foi São João.
*
Perereca saltitante
Só cai em boca de cobra
Cobra atrás de perereca
De tamanho ela dobra
Na bunda de cangaceiro
Vira o maior salseiro
Um juiz assina a obra.
*
Estes versos sem sentido
Pra fazer tive razão
Já estou de saco cheio
Só se fala em eleição
O povo besta brigando
E o político tentando
Se firmar na profissão.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

ELEIÇÃO E OPINIÃO


ELEIÇÃO E OPINIÃO
*
O dia está chegando
Minha dúvida é crescente
Não vejo uma liderança
Que meu Brasil represente
É fumo de todo lado
Vejo o Brasil arrombado
Quem padece é nossa gente.
*
Na situação não voto,
Em Eduardo votaria,
Marina não apresenta
Aquilo que eu gostaria
Aécio não tem discurso
Mas poderá ser meu curso
Na fatídica romaria.
*
Cada um vota em quem quer
Esta é minha opinião
Não vou fazer a cabeça
De ninguém nesta eleição
Seja quem for o eleito
Nem mágica dará jeito
Nas fraudes desta nação.
*
Dalinha Catunda 

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

A MISS ALENCARINA


A MISS ALENCARINA
*
Passe Melissa Gurgel
Com sotaque e formosura
Demonstre sua cultura
Desempenhe seu papel
O preconceito é cruel
Mas não vai lhe derrubar
Nessas terras de Alencar,
Da cabocla, e da rendeira,
Tem luz a mulher guerreira
E pódio para brilhar.
*
Versos de Dalinha Catunda

Foto: Diário 24 Hrs

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

SERIGUELA


A SERIGUELA
*
Ela é muito apetitosa,
Quem não quer saborear
Sua cor avermelhada
É um convite a provar
Depois de um bom trago,
Pra muitos vira manjar.
*
No Ceará muito gente,
Eu vi correndo atrás dela.
Até eu andei trepando
Num galho visando ela.
Antes que o pau quebrasse
Minha mão eu meti nela.
*
Típica do meu Nordeste.
Gostosa como ela só.
Quem ainda não comeu,
Confesso que tenho dó,
Pois não sabe o que é bom
Dela eu fiz o meu xodó
*
Às vezes é bem vermelha,
Outras vezes amarela.
Falo da deliciosa,
Frutinha seriguela.
Fruta pequena e gostosa
Não há quem resista a ela.
*
Foto e versos de Dalinha Catunda
*
“O Aurélio afirma que a fruta se chama siriguela, com s ei. Já o Houaiss diz que se escreve com s e e: seriguela. Existem até alguns lugares que a chamam de ciruela.
O único nome correto, sem alterações ou distinção é o científico: Spondias purpurea da família dasAnacardiaceae e da ordem Sapindales.
A versão mais aceita, entretanto, é SERIGUELA.”

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Safra de Primavera


SAFRA DE PRIMAVERA
*
Eu vivo a realidade
Porém gosto de sonhar
E sonhando arquitetar
Um mar de felicidade
Dos sonhos faço verdade
E não apenas quimera
A minha vontade impera
Ao descartar dissabores
Vou plantar novos amores
Pra colher na primavera.
*
Versos e fotos de Dalinha Catunda

domingo, 21 de setembro de 2014



O ARREBOL
*
Quando o sol devagarinho
Esconde-se pra dormir
Bem no alto da montanha
Vejo o astro rei sumir.
Encanta-me o pôr-do-sol,
A beleza do arrebol,
É difícil traduzir.
*
Não demora muito tempo
Transforma-se o infinito.
Uma lua prateada
Deixa o céu bem mais bonito.
Na natureza a magia
Arrebata e contagia,
No emanar de cada rito.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda
Fotos no sítio em Cachoeiras de Macacu.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

EDUCAÇÃO É VOTO CONSCIENTE
*
Eu tento ser patriota,
Mas não vejo solução.
Com cara de idiota
Percebo a população.
Escândalos estourando,
O povo fumo levando,
Meu Deus que situação!
*
Nas promessas de campanha
Um Brasil que tem futuro,
Porém tudo é só falácia
Deste monte de monturo
Que tem nas mãos o poder
Faz tudo pra não perder
E a nação paga com juro.
*
Queria um Brasil melhor
Queria um Brasil decente
E com mais educação
Pra preparar nossa gente
E a cada nova eleição
Na hora da votação
O voto ser consciente.
*
Versos de Dalinha Catunda

terça-feira, 9 de setembro de 2014

CRUZ NA CASA DE REBOCO

CRUZ NA CASA DE REBOCO
*
O reboco foi ao chão
Mas a casa está de pé
Pra demonstrar sua fé
Riscaram na habitação
Na porta a cruz de carvão
Que é para resguardar
E a maldade espantar
Lá naquela moradia.
Assim Ciço me dizia
Quando fui lhe visitar.
*
Foto e texto de Dalinha Catunda
Esta casa é no sítio de Cicero Azevedo na Floresta – Em Ipueiras-Ce