Seguidores

sábado, 6 de agosto de 2022

Dalinha Catunda - Cordel Cantado


 

sábado, 16 de julho de 2022

sábado, 9 de julho de 2022

“Mocidade não tem volta A vida é daqui pra frente!”


 “Mocidade não tem volta

A vida é daqui pra frente!”

*
O tempo passa, é verdade…
Para que se lamentar?
É bem melhor encarar,
Os traços da nova idade.
Tentar ter serenidade,
Cuidar do corpo e da mente,
Para aceitar o presente,
Sem receio, sem revolta:
“Mocidade não tem volta
A vida é daqui pra frente!”
Mote e glosa de Dalinha Catunda
dalinhaac@gmail.com

terça-feira, 5 de julho de 2022

Vida na roça - 1 Dalinha Catunda


 Um pedacinho da. minha vida na roça
Dalinha Catunda Cordelista, Dirandeira e Artesã
dalinhaac@gmail.com

sábado, 2 de julho de 2022

OSSOS DO OFÍCIO


 

OSSOS DO OFÍCIO

*

Eu estico e passo o dedo

E até me ponho a lamber

Pois na hora de enfiar

Fica melhor pra meter

No buraquinho da agulha

A linha para coser.

*

Versos e foto de Dalinha Catunda

dalinhaac@gmail.com

sábado, 25 de junho de 2022

O SÃO JOÃO DO PEQUENO MARTIM

O SÃO JOÃO DO PEQUENO MARTIM

*

O nordestino já nasce

Honrando sua tradição

Bota seu chapéu de couro

E a sanfoninha na mão

Com um sorriso no rosto

Arrumado, no seu posto

Se prepara pro São João.

*

Sentado numa carroça

Vestido de cangaceiro

Martim espera seu par

Para correr no terreiro

“No Ceará É assim”

Nem um ano tem Martim

Mas já gosta do salseiro.

*

Viva São João das crianças,

São João do carneirinho.

Viva o São João do Crato,

Que o povo chama Cratinho!

Viva a família raiz,

Viva a Criança feliz,

Que tem Deus em seu caminho.

*

Versos de Dalinha Catunda

Foto de Fátima Prado

dalinhaac@gmail.com

 

terça-feira, 21 de junho de 2022

NO DIA DE CORPUS CHRISTI


 NO DIA DE CORPUS CHRISTI

1
Esqueça a politicagem
Baixarias e fofocas
Busque em Deus a coragem
Pra viver em união
Ter paz no seu coração
Ao ódio, fazer blindagem!
Bastinha Job
2
No dia de Corpus Christi
Ponha a mão na consciência
Peça a Deus em oração
Pelo fim da violência
Não cometa a falsidade
Leve a vida sem maldade
Pratique a benevolência.
Dalinha Catunda
3
O pão do nosso café
Que comemos todo dia
Depressa volta a fome
Vamos a mercearia
Mas há um pão verdadeiro
Que alimenta por inteiro
É o pão da Eucaristia
Araquem Vasconcelos
4
Jesus juntou os discípulos,
quando repartiu o pão,
pão e vinho transformados
em fonte de salvação,
mas é preciso Amor,
como fez Nosso Senhor,
doando-se pelo irmão.
Anilda Figueiredo
5
No dia de Corpus Christi
Receba em comunhão
O corpo de Jesus Cristo
Na humildade de irmão
Reze ao Pai Onipotente
Pois Ele é Onisciente
Peça paz para a nação.
Lindicássia nascimento
6
Corpus Christi é pão da vida
Que deixa a alma servida
Dando espírito guarida
Rumo ao Santo paraíso
Onde reina paz e amor
Lugar sem pranto, sem dor
Lá só Deus é o senhor
E somente amar é preciso.
Jairo Vasconcelos.
7
À devoção eucarística
Hoje eu lhe faço um convite,
Nela ao cristão Deus se dá,
Sobre a fé, então, levite,
Deixe a maldade enjaulada,
Faça o bem na caminhada
E os descaminhos evite.
Nilza Dias
8
Na Sagrada Eucaristia
Deus se revela no pão
Ao saciar um irmão
No milagre dia- a - dia
Sua paz nos contagia
Nos renova com amor
Traz coragem e fervor
Renovação pela FÉ
Sempre nos pondo de pé
Na situação que for.
Dulce Esteves
9
Ir em busca de justiça
Mesmo havendo imprevisto
Proteger o índio e o pobre
Das agruras do malquisto
É política decente
Qual a reza de um Crente
É também reviver Cristo.
Giovanni Arruda
10
Os relatos de Juliana
de Mont Cornillon, fez
Com o "Milagre de Bolsena"
O papa criar de vez
No século XIV datado
Corpus Christi é adornado
Com amor e honradez.
Francy Freire
11
Corpus Christi foi criado
Como uma prova de amor
Do Deus que veio ao mundo
Se doando com fervor
Para se viver com fé
O Jesus de Nazaré
Exemplo de pregador.
*
Para salvar nossa vida
Seu corpo e sangue é dado
Em forma de pão e vinho
Nos deixando alimentado
Mesmo sendo dividido
Não fica diminuído
E nos tira do pecado.
Vânia Freitas
*
Meus agradecimentos aos amigos que participaram da roda de versos.
Meu abraço e muito obrigada.
dalinhaac@gmail.com

quinta-feira, 16 de junho de 2022

FEITO CORA CORALINA

FEITO CORA CORALINA

*

Feito Cora Coralina

Faço doce e poesia

Não vivo chorando a sorte

Gosto de adoçar meu dia

Com doces e com palavras

Vou produzindo magia.

*

Dalinha Catunda

Dalinhaac@gmail.com

Cordelista, artesã e cirandeira

segunda-feira, 13 de junho de 2022

TROVAS DE DALINHA CATUNDA.

TROVAS DE DALINHA CATUNDA.

1

A saudade é dor no peito

Em noite de solidão;

Eu no cetim do meu leito,

Ela no meu coração.

2

A saudade companheira

Faz parte da minha sina;

Se achegou como posseira,

Logo virou inquilina.

3

Saudade punhal mortal

Que sangra a alma da gente;

Um sentimento letal,

Quando visita o presente.

4

Que triste fado é perder

Na vida um grande amor,

E a saudade se prender

Para alimentar a dor.

5

Para não viver vazia

Casei-me com a saudade;

Ela me faz companhia

No avançado da idade.

6

É doce sentir saudade

De alguém que foi pra voltar;

Sempre tempera a vontade

E abrasa o reencontrar.

7

A saudade é acalanto

Que algumas vezes apraz;

Quando ela chega sem pranto,

É dengo que satisfaz.

8

Não vou viver de saudade,

Pra ela não me matar;

Mas pra falar a verdade,

Não vivo sem recordar.

9

Saudade é dor passageira,

Quando é pequena a paixão;

Ela vem sem gemedeira,

Não maltrata o coração.

10

Sou a saudade ladina,

Sou a saudade marota,

Daquele chão nordestino

Dos meus tempos de garota.

11

A saudade é rede armada

Que embala a recordação;

Lembrando da terra amada,

Balança meu coração.

12

Já mergulhei na saudade,

Contudo sem me afogar;

Não tive dificuldade

Para sair desse mar.

13

A saudade é filme antigo,

Que preservo com carinho;

Do tempo que andei contigo,

Dividindo o mesmo ninho.

14

A nossa louca paixão,

Não tem como não lembrar;

No perfume e na canção,

Ela volta a incomodar.

15

Debaixo de um juazeiro

O seu amor eu ganhei;

Lá eu fiz o meu canteiro,

E só saudades plantei.

16

Saudade é dor descarada,

Que invade o peito da gente;

Sem se sentir acanhada.

Badala dentro da mente.

*

Quero agradecer ao poeta José Walter Pires, o convite para participar desse livro de trovas. Ai, ai, saudade… é um livro repleto de belas trovas escrito por poetas incríveis, que são: Lêda Selma, Alba Helena Corrêa, josé Walter Pires, Creusa Meira e Dalinha Catunda.

 

terça-feira, 31 de maio de 2022

O MEU CORDEL CIRANDEIRO


 O MEU CORDEL CIRANDEIRO

1

Para falar de Ciranda

O meu coração balança

Eu faço a roda girar

Quando a musa entra na dança

Avivando a inspiração

Assim flui minha oração

Diante dessa aliança.

2

Peguei na mão da ciranda

Buscando sempre agregar

Juntei ciranda e cordel

Para melhor propagar

Com canto e literatura

Nossa popular cultura

Com dança para animar.

3

No meu cordel cirandeiro

Trago o canto de alegria

Trago meu Cordel de Saia

Trago o cordel de Maria

Pra mostrar meu universo

De rima de canto e verso

De peleja e cantoria.

4

Pra melhor salvaguardar

O cordel literatura

Eu criei As Cirandeiras

E gostei dessa mistura

Quem sabe canta o refrão

E faz a declamação

Nos moldes dessa estrutura.

5

Cirandeiras do Cordel

É projeto que caminha

Já tem um núcleo no Crato

Com cordelistas de linha

Outros núcleos surgirão

Conforme a ocasião

Assim cogita Dalinha.

6

Vou abrir a minha roda

Quem quiser pode chegar

Mais de mil versos bonitos

Fiz pra quem quiser cantar

Enfie a mão na sacola

E pode pegar a cola

Quem quiser participar.

7

 

A roda duma ciranda

Sempre traz felicidade

Pois cantando se repassa

Costumes da oralidade

As mais bonitas lembranças

Vem no bailado das danças

Florindo a realidade.

8

Venha dançar a Ciranda

Que veio de Portugal

A rica herança dos mouros

De cadência sem igual

Vem menina entra na roda

Que a dança não cai de moda

Da tradição tem aval.

9

Hoje vou dançar ciranda

Na calçada ou no terreiro

Vou levar o meu ganzá

Um zabumba e um pandeiro

Vou ficar toda bonita

Vou botar laço de fita

Pra ganhar um cirandeiro.

10

Venha cá dançar ciranda

Na palhoça ou no salão

Aqui não tem preconceito

Pois ciranda é inclusão

Dança velho, dança novo,

Na ciranda que é do povo

Em qualquer ocasião.

11

Na ciranda a vestimenta

É bem alegre e bonita

Tem a blusa de babado

A saia é feita de chita

No movimento da dança

A gente vira criança

E a saia rodada agita.

12

Dancei ciranda na praia

Com vestido de algodão

Esperando meu amor

Que saiu para o arrastão

Fiquei na beira do mar

Olhando a onda quebrar

Com meus olhos de paixão.

13

Eu danço no meu sertão

Que fica no Ceará

Lia dança em Pernambuco

Praia de Itamaracá

A ciranda é popular

Se dança em qualquer lugar

Também no boi do Pará.

14

Lia de Itamaracá

Da ciranda é a rainha

A grande representante

Jamais dançará sozinha

O seu bonito legado

Será sempre copiado

Seguiremos sua linha.

15

Trago uma flor no cabelo

Um buquê em minha mão

Quero um cheiro no cangote

Na ciranda da paixão

Quero seu chapéu quebrado

Saudando meu requebrado

Ao cantar nossa canção.

16

A ciranda é minha e sua

Ela é de cada amiga

É dança que vem de longe

Embalada na cantiga

É no baú da memória

Que se resguarda a história

E resgata a mais antiga.

17

A ciranda tem seu passo

Quem quiser pode chegar

Se você der meia volta

Volta e meia quero dar

Mas faça com emoção

Pegue aqui na minha mão

Que na sua irei pegar.

18

Quem ainda não conhece

Por favor se achegue aqui

Para ver as cirandeiras

Das plagas do Cariri

São as mulheres que cantam

E na ciranda encantam

Na colheita do pequi.

19

Essa Ciranda é do Crato

De Barbalha e Juazeiro

É do Padim Pade Ciço

É do Cariri Inteiro

Grave com o seu cinzel

É ciranda do cordel

Movimento pioneiro.

20

A Ciranda itinerante

É de fato uma beleza

Dancei no Rio de Janeiro

E lhe digo com certeza

Muito emoção eu senti

Ao dançar em Paraty

E também em Fortaleza.

21

Mas foi na minha Ipueiras

Com muita satisfação

Que o nosso grupo estreou

No Saberes do Sertão

No, Encontro de Ipueiras

Tivemos As Cirandeiras

Em sua apresentação.

22

Cada ciranda cantada

Vai cumprindo seu papel

Disseminando cultura

Ao difundir o cordel

E nesse tipo de ação

Vai passando a tradição

Procurando ser fiel.

23

Ciranda é muita pesquisa,

Trabalho e dedicação.

É saber se reunir

Quando pede ocasião

Uma boa cirandeira

Não solta a mão da parceira

E zela pela união.

24

Nesse Cordel Cirandeiro

Eu quero homenagear

Cada mulher cirandeira

Que fez a roda girar

Que pegou na minha mão

E me fez ter gratidão

E querer continuar.

*

Cordel de Dalinha Catunda

dalinhaac@gmail.com

*