Seguidores

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Cordel de Saia na Biblioteca Nacional




Cordel de Saia visita, Biblioteca Nacional - Depósito Legal.
Amigos, faz algum tempo que colaboro com a Biblioteca Nacional – Divisão de Deposito Legal, nas campanhas para arrecadar cordéis para o acervo da BN.
No primeiro momento, junto com Daniele del Giudice, responsável da Divisão de Deposito Legal, na época. Fizemos uma boa campanha, principalmente no Cariri. Retornamos com muitos cordéis para o acervo.
Recentemente fui procurada por Alessandra Morais, a atual responsável pelo Depósito Legal para darmos continuidade a campanha. Prontifiquei-me a colaborar novamente e espero contar com os poetas de cordel.
Ontem, eu e Rosário Pinto fomos a Biblioteca Nacional, para fazermos nossas doações.  Fomos muito bem recebidas por Alessandra Moraes que gentilmente nos apresentou sua equipe. Rosário doou os seus cordéis e eu, além dos meus, levei pelejas com outros poetas e cordéis que ganho para esse fim.
Tivemos uma tarde proveitosa, entre uma conversa e outra, ficamos certas que o Cordel de Saia, entrará firme nessa colaboração.
Novamente deixo aqui os contatos para que os cordelistas interessados possam contribuir:
Alessandra Moraes
Técnico em documentação
Divisão de Depósito Legal
Fundação BIBLIOTECA NACIONAL
Av.Rio Branco, 219 – 3º andar – Centro/RJ
Telefones: + 55 21 2220 1899 / 2220 1892 / 3095 3951
 .

Sempre Namorados


SEMPRE NAMORADOS
*
Em seu olhar insistente,
Um olhar apaixonado.
Na sua mão estendida
Um buquê era ofertado
Um beijo apenas na mão
Balançou meu coração
Que ficou enamorado.
*
Não noivamos, nem casamos,
Nem teve papel passado
Porém chegaram os filhos
E o elo foi confirmado.
Vivo assim a minha vida
Sendo eu sua querida
E você meu namorado.
*
Sempre sou surpreendida,
Com sua dedicação.
A cada atitude sua,
Eu transbordo de emoção
Pois ser sua namorada
Será sempre minha estrada,
Ordenou meu coração.
*
Versos e ilustração de Dalinha Catunda
dalinhaac@gmail.com

segunda-feira, 10 de junho de 2019

Dalinha Catunda X Ernane Tavares














VERSOS DE DOMINGO
*
ERNANE TAVARES
Bom saber que hoje é sábado
Que amanhã é domingo
É a rima mais difícil
Mas não tomo nem um pingo
Pois nesse dia tem festa,
Quando não é missa é bingo.
*
DALINHA CATUNDA
Depois da missa e do bingo
Eu parto para o forró
Se o sanfoneiro for bom
Dos meus pés não tenho dó
Se só tiver cabra frouxo
Eu me dano e danço só.
*
Fotos do acervo de Dalinha Catunda
dalinhaac@gmail.com

quinta-feira, 6 de junho de 2019

ROLA X PERIQUITO


 ROLA X PERIQUITO
*
Nesses tempos atuais
Amigo vou lhe contar
Tem coisa que não entendo
Também não posso explicar
Pois até a natureza
Exibe sua aspereza
Quando resolve brigar.
*
Um periquito vadio
Que gostava de dinheiro
Resolveu grana ganhar
Não aqui, no estrangeiro,
Começou a atuar
E viu seu plano vingar
Foi esperto e foi ligeiro.
*
Para uma pomba lesa
O periquito ligou
Mas a rola vaidosa
Burra nem desconfiou
Que o tal do periquito
Todo sarado e bonito
Um bom golpe planejou.
*
O periquito esperto
Enviou fotografia
Mostrou que era capaz
De encarar uma porfia
E a pomba encantada
Logo caiu na cantada
Sem saber o que fazia.
*
Periquito decidido
Resolve a situação
Levou a pomba abestada
Direto para o colchão
Foi pena pra todo lado
Fizeram amor adoidado
Até rolaram no chão.
*
O periquito contente
Deu conta do seu recado
A rola baixou a cabeça
Quando viu o resultado
É hoje ave acuada
Porque vai ser depenada
O golpe foi confirmado.
*
Após contar essa saga
Pasmada eu aqui medito:
Pois tem coisa que me assombra
Eu vejo e não acredito
Só sendo coisa do diabo
É pomba tomar no rabo
Por comer um periquito.
*
Versos de Dalinha Catunda

Qualquer semelhança com a vida dos racionais é mera coincidência.
Dalinha Catunda cad. 25 da ABLC
dalinhaac@gmail.com

terça-feira, 4 de junho de 2019

PARCELA PRA PEDRO BANDEIRA


PARCELA PRA PEDRO BANDEIRA
.
Meu nome é Dalinha
E digo presente
Cordel e repente
É a minha linha
Que não desalinha
Por ter tradição
No meu coração
De mulher rendeira
O Pedro é Bandeira
Que empunho na mão.
.
Gentil Cavalheiro
Que toca e que canta
Vate que me encanta
Com sua maneira
Sua arte brejeira
A todos contenta
A rima que inventa
Nos causa surpresa
Tem graça e beleza
Estou sempre atenta.
.
Cantador valente
Que não esmorece
Que reza faz prece
No canto envolvente
A Deus é temente
E em Juazeiro
Já virou romeiro
Do meu “Padim Ciço”
Não brinca em serviço
E bardo lampeiro.
.
Bardo coroado
Que rei já virou
Quem o coroou
Previu seu reinado
No burro montado
Ganhou a estrada
De alma lavada
No trono subiu
O povo enfim viu
Bandeira hasteada.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda
Homenagem feita, por ocasião da Semana Pedro Bandeira, no Cariri

sábado, 13 de abril de 2019

QUANDO PAPAI ME FEZ


QUANDO PAPAI ME FEZ...
*
Quando meu papai me fez
Diz ele que caprichou
Começou no escurecer
E a noite inteira levou
Não faltou material
A gala era especial
Mamãe também cooperou.
*
Capricharam nos olhinhos
Na boca, queixo e nariz
Minha mãe abriu as pernas
E o velho passou o giz
Assim foram desenhando
E formato fui ganhando
Naquele dia feliz.
*
Quando painho chegou
Largou logo a lazarina
E disse para mainha
Hoje eu faço uma menina
Os documentos lavou 
E com mamãe se deitou
E apagou a lamparina.
*
Numa cama de pau duro
Começou o rebolado
Meu velho ia e voltava
E mamãe fazendo agrado
Para eu não nascer feia
Fizeram na lua cheia 
E foi bom o resultado.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda

quinta-feira, 11 de abril de 2019

Encantos e lua.


ENCANTOS E LUA
*
DALINHA CATUNDA
Quando vejo a lua cheia
E o esplendor do luar
Deitada na minha rede
Eu me pego a imaginar
Nas coisas do coração
Do despontar da paixão
Do prazer de namorar.
*
ERNANE TAVARES
Quando eu vi aquela lua
No céu assim tão brilhante
Eu pensei logo em você
E naquele mesmo instante
Eu logo fotografei
E na memória guardei
Pra postar mais adiante.
*
Fotos de Dalinha Catunda

terça-feira, 9 de abril de 2019

AS FACES DA CHUVA















AS FACES DA CHUVA
*
Quando a chuva esperada
Chega molhando o nordeste
Uma alegria inconteste
Não demora é espalhada
O povo cai na risada
Vendo a água em profusão
Aflora na multidão
Clima de felicidade
CHUVA NA GRANDE CIDADE
NÃO É IGUAL AO SERTÃO.
*
Quando a chuva chega forte
Inunda a cidade grande
O aguaceiro se expande
Causa dano, causa morte,
O povo fica sem norte
Com tanta destruição
A chuva sem compaixão
Exibe sua crueldade
CHUVA NA GRANDE CIDADE
NÃO É IGUAL AO SERTÃO.
*
Versos e fotos de Dalinha Catunda

terça-feira, 2 de abril de 2019

O DELEITE DA ROSA


O DELEITE DA ROSA
*
Encantei-me com conversa
De bico de beija-flor
Minha ode hoje versa
Sobre esse sublime amor.
*
Sobre esse sublime amor
Pelo qual fui seduzida
Exalando meu olor
Era por ele sorvida
*
Era por ele sorvida
Ao despertar orvalhada
Libertina e atrevida
Incontida era sugada.
*
Incontida era sugada
E quase a desfalecer
Feliz mas despetalada
Desmanchei-me em prazer.
*
Versos de Dalinha Catunda

quinta-feira, 28 de março de 2019

Esse meu Jardim Florido/ É Cacimba de Saudade


ESSE MEU JARDIM FLORIDO
É CACIMBA DE SAUDADE
*
DALINHA CATUNDA
Quando rego minhas flores,
Desperto a recordação,
Que mora em meu coração.
 Entre suspiro e rumores,
 Evoco antigos amores,
E choro a fugacidade,
Do que foi felicidade,
Porém hoje é fenecido...
ESSE MEU JARDIM FLORIDO,
É CACIMBA DE SAUDADE!
*
BASTINHA JOB
Anilda fotografou 
Esse jardim invernado 
esse mote bem bolado 
Dalinha fez e glosou 
O perfume se espalhou 
Por toda minha cidade 
Trouxe a fraternidade
E o verso foi atingido:
ESSE MEU JARDIM FLORIDO 
É CACIMBA DA SAUDADE.
*
Mote de Dalinha Catunda