Seguidores

quarta-feira, 18 de julho de 2018

ROUPA DE BONECA


ROUPA DE BONECA
*
Hoje sentei frente a maquina
E resolvi costurar
Pra vestir uma boneca
Que eu acabei de ganhar
Ela aqui chegou despida
Mas já está bem vestida
Em estilo popular.
*
Tem corpo de manequim
Essa boneca elegante
Pra ela cosi calcinha
Na cabeça pus turbante
E pra ficar mais bonita
Fiz um vestido de chita
Ficou bem interessante.
*
Assim trouxe meu passado
Para brincar no presente
Lembrei bonecas de pano
Que me deixavam contente
Roupinhas fazia à mão
Recordo com emoção
Os tempos de antigamente.
*
Por isso mesmo vesti
Com vestido de São João
Para homenagear
As festas do meu sertão
Pra lembrar as brincadeiras
Na cidade de Ipueiras
O meu saudoso rincão.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda

segunda-feira, 9 de julho de 2018

BRASIL CABARÉ DE QUINTA


BRASIL CABARÉ DE QUINTA
*
Esse cabaré de quinta
Que o povo chama Brasil
É uma nação sem rumo
De ladrão virou covil
O q’um dia foi justiça
Hoje já virou “mundiça”
A se envolver em ardil.
*
À deriva o nosso povo
Navega na insegurança
O que é certo ou errado
Já não traz mais na lembrança
A classe politiqueira
E a justiça brasileira
Só sabem fazer lambança.
*
Uma luz no fim do túnel
Eu não consigo enxergar
Do jeito que a coisa anda
A nação vai afundar
Porque em cada partido
Só vejo mesmo bandido
Fica difícil votar.
*
Foto e versos de Dalinha Catunda

quarta-feira, 4 de julho de 2018

LUA ALCOVITEIRA


 LUA ALCOVITEIRA
.*
A lua apontou no céu
O céu encheu-se de brilho
Do brilho nasceu meu verso
Do verso fiz estribilho.
*
Do verso fiz estribilho
Para cantar ao luar
A lua me enfeitiçava
Luzia pra me encantar.
*
Luzia pra me encantar
Do seu modo flamejante
Acendendo meu desejo
No beijo da boca amante.
*
No beijo da boca amante
Viu a lua alcoviteira
Em braços tão envolventes
Uma mulher ser inteira.
*
Versos e fotos de Dalinha Catunda

terça-feira, 3 de julho de 2018

A chuva traz bonança



A CHUVA TRAZ BONANÇA
*
Quando a chuva caiu forte no chão
Eu rezei muito mais do que devia
Vi enfim que o milagre acontecia
De alegria vibrou meu coração
De repente enverdece meu sertão
A campina engalana-se com flores
Na paisagem divina tem mil cores
No gorjeio festivo o passarinho
Se acasala e concebe mais um ninho
A bonança chegou ouço rumores.
*
Fotos e versos de Dalinha Catunda



segunda-feira, 2 de julho de 2018

Minha educação depende da sua


MINHA EDUCAÇÃO DEPENDE DA SUA

*
Tenho ouro e tenho prata
Tenho sangue de Aragão
De Catunda uso o brasão
Mas quando alguém me destrata
Meu orgulho logo trata
De ativar a arrogância 
Se isso é deselegância
Não cogito me conter
Sou mestra em responder
Ataques de ignorância.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda

quarta-feira, 27 de junho de 2018

Dalinha Catunda e José Walter Pires


JOSÉ WALTER PIRES
Quem foi que mexeu contigo
Minha querida parceira?
Certamente fez besteira
E assim carece o castigo.
Ouça bem o que te digo:
Quem muito fala e não pensa
Não merece recompensa
Nem a metáfora mais pobre.
Por isso, jamais se dobre
A quem nutre desavença!
*
DALINHA CATUNDA
Amigo o que me aborrece
É a carência de tutano
Desdourando o ser humano
Que de burrice padece
Confesso que faço prece
Rogo a Deus em oração
Pra não perder a razão
Diante de disparate
É que a burrice me abate
Me deixa até sem tesão.
*
Foto do acervo de Dalinha Catunda

quinta-feira, 21 de junho de 2018

“QUEM DIZ O QUE QUER...”


“QUEM DIZ O QUE QUER...”
*
Sou mulher bem resolvida
Sei como me comportar
Conforme cada lugar
E disso ninguém duvida
Mas fico puta da vida
Quando vejo barraqueira
Achando que está na feira
E dispara em falação
Sem respeito e sem noção
Mostrando o que é ser grosseira.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda

domingo, 17 de junho de 2018

UM BOM DINHEIRO PERDEU/QUEM POR BESTA ME COMPROU.


UM BOM DINHEIRO PERDEU
QUEM POR BESTA ME COMPROU.
*
Quem pensou que ia montar
E botar cangalha em mim
Botei pra lamber capim
Quando arriscou me laçar
Fiz o cabra escorregar
E cair quando tentou
No cabresto inda pegou
Mas do meu coice correu.
UM BOM DINHEIRO PERDEU
QUEM POR BESTA ME COMPROU.
*

Foto mote e glosa de Dalinha Catunda

quinta-feira, 14 de junho de 2018

A REVOLTA DE SANTO ANTÔNIO


A REVOLTA DE SANTO ANTÔNIO
*
Santo Antônio aperreou-se
E sentiu-se até perdido
Quando viu tanta mulher
Todas querendo marido:
- Uma coisa vou dizer
Não sei o que vou fazer
Em meio a tanto pedido.
*
Ficou logo revoltado
E falou para Jesus
Eu não aguento mais
O peso da minha cruz
Ser santo casamenteiro
E com todo esse salseiro
Vos digo: Não me seduz.
*
Jesus Cristo preocupado
Com aquela situação
Disse para Santo Antônio
É só sua essa missão
Mas pode no céu buscar
Uns Santos pra lhe ajudar
Eu não faço objeção.
*
Santo Antônio se alegrou
Começou a organizar
As virgens ele casaria
Isso não ia mudar
Delas ele tinha dó
Deixá-las no caritó
Não dava nem pra pensar.
*
Falou com o São Gonçalo,
E Com São Judas Tadeu
Achou por bem convidar
São Jorge o amigo seu
Nessa mesma ocasião
Fez a distribuição
Com o aval que Jesus deu.
*
As chamadas periguetes
São Gonçalo vai casar
Também as raparigueiras
Que gostam de badalar
Pois é santo violeiro
Em cabaré ou terreiro
Ele não paga pra entrar.
*
Já o São Judas Tadeu
É com as tribufus que fica
Santo das causas perdidas
Já casou baranga rica
E as donas sem embaraço
Que já não tem mais cabaço
E gostam mesmo é de pica.
*
Para São Jorge Guerreiro
Com sua espada na mão
Ele fica responsável
Por todo e qualquer canhão
Pelas mocreias da vida
Que o pessoal apelida
As coitadas de dragão.
*
Eu acho que Santo Antônio
Abusou da rebeldia
E mesmo estando irritado
Com penas que recebia
De tanto ser afogado
Devia estar conformado 
E com a cabeça fria.
*
Não pedi licença a musa
Mas a Deus peço perdão
Por esses versos que fiz
Com tanta profanação
Não me queimem na fogueira
Foi só uma brincadeira
Sem reza e sem oração.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda

quarta-feira, 13 de junho de 2018

SONETILHO DE AMOR

SONETILHO DE AMOR
*
Às vezes sou lua
Que nua vagueia
A todos enleia
Porém sou só sua.
*
Ás vezes sou sol
Trazendo calor
Derreto de amor
Em nosso lençol.
*
Às vezes sou brisa
Que ofega em seu rosto,
ladina lhe alisa.
*
E sempre sou nós
Depois do sol posto
Juntinhos e a sós...
*
Versos e foto de Dalinha Catunda