Seguidores

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

LÁ VEM O TREM...














LÁ VEM O TREM...
*
O ultimo vagão do trem
Descarrilha e nos comove
E a outra composição
No mesmo trilho se move
São doze vagões passando
Feliz quem for embarcando
No dois mil e dezenove.
Antônio Cassiano
*
O trem que inda está passando
Da dor não me quis poupar
Pois passou me atropelando
Só não fez foi me matar
Quase perdi o meu brilho
Mas já me firmei no trilho
Para o novo trem pegar.
Dalinha Catunda

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

FRAGRÂNCIA DE VERSOS


FRAGRÂNCIA DE VERSOS
*
A poesia perfumada
Que nossa vida inunda
Nos versos cheios de cores
De uma mente fecunda
Aromam a minha vida
E digo bem comovida
Grata, Dalinha Catunda!
 Bastinha Job
*
Querida Bastinha Job
Linda flor do meu jardim
O bálsamo dos meus versos
É aroma que não tem fim
Brota de cada poeta
Quem tem essa mesma meta
E não apenas de mim.
Dalinha Catunda
Cad: 25 da ABLC
dalinhaac@gmail.com


FLORES VIRTUAIS


FLORES VIRTUAIS
*
Tem mimo que vem de longe
Mas toca-me o coração
Pois são desvelos de amigos
Que acaloram a ilusão
Mudando a rotina do dia
Perfumando a alegria
Instigando a emoção.
*
São presentes virtuais
São as benfazejas flores
Que chegam por novas vias
Trazendo os mesmos valores
Celebrando as amizades
Suavizando saudades
Ou prenunciando amores.
*
Versos de Dalinha Catunda cad.25 da ABLC
dalinhaac@gmail.com

sábado, 1 de dezembro de 2018

Interação de Bastinha Job e Dalinha Catunda


Interação de Bastinha Job e Dalinha Catunda
*
BASTINHA JOB
Há tempos estou vagando
No meu caminho a esmo
Já não encontro a mim mesmo 
Sou vontade,sem comando 
No mar da vida remando 
Meu navio não ancora
É preciso sem demora 
Recuperar meu conceito:
" FECHOU A PORTA DO PEITO
E JOGOU A CHAVE FORA."

*
DALINHA CATUNDA
Eu estava me trocando
Quando meu amor chegou
E de soslaio me olhou
Aos poucos foi se engraçando
Já estava se animando...
Foi quando pedi na hora:
Me ajude a fechar agora
Meu soutien com respeito!
“FECHOU A PORTA DO PEITO
E JOGOU A CHAVE FORA”
*
Mote de Heliodoro Morais
*

dalinhaac@gmail.com

terça-feira, 27 de novembro de 2018

ERA EU E MÃE



Era eu e mãe...
*
Me lembro mãe costurando
Naqueles tempos de então
Eu sentadinha ao seu lado
Fazia costura a mão
Muitas vezes embainhava
Chuleava e caseava
E até pregava botão.

Versos e foto de Dalinha Catunda
Cad. 25 da ABLC
dalinhaac@gmail.com

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

O CORRUPIÃO


O CORRUPIÃO
*
No finalzinho do tarde
Ou no amanhecer do dia
Ouço um lindo passarinho
Com sua bela melodia
Cantando lá na palmeira
A bela carnaubeira
E me trazendo alegria.
*
Seu cantar é envolvente
De fato chama atenção
Tem a beleza na cor
É pássaro do sertão
Ele é mais uma riqueza
Habitando a natureza
Chamado corrupião.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda

MUITA PAZ MUITA UNIÃO!


NO DIA DE AÇÃO DE GRAÇAS
MUITA PAZ, MUITA UNIÃO!
*
BASTINHA JOB
É dia de agradecer
Por tudo que nós colhemos
A colheita que tivemos
Ao Próximo oferecer,
Compartilhar é dever
Do homem, do cidadão
Abraçar a cada irmão
Brindar em todas as taças
NO DIA DE AÇÃO DE GRAÇAS
MUITA PAZ, MUITA UNIÃO!

*
DALINHA CATUNDA
Ao bom Deus eu agradeço
Por sua misericórdia.
Por me livrar da discórdia
Nem sei se tanto mereço,
Porém trago com apreço
Jesus em meu coração.
Anseio com devoção
Em casas, ruas e praças,
NO DIA DE AÇÃO DE GRAÇAS
MUITA PAZ, MUITA UNIÃO!

*
dalinhaac@gmail.com
cad.25 da ABLC

SERTANEJANDO















SERTANEJANDO
*
Quando escancaro a porteira
Para entrar em meu rincão
A dona felicidade
Faz festa em meu coração
Uma brisa benfazeja
Invade essa sertaneja
Que não esquece o sertão.
*
Cada tarde é deslumbrante
Ver o ocaso acontecer
Por detrás da serra grande
Assisto o sol se esconder
Deixando um resto de luz
Crepúsculo que seduz
No dourado entardecer.
*
Tibungando em minhas águas
Eu vejo o sol desmaiar
Entre um mergulho e outro
Consigo me refrescar
E na boquinha da noite
O Aracati é açoite
Que chega com o luar.
*
Versos e fotos de Dalinha Catunda

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

O ARMADOR SOLITÁRIO


O ARMADOR SOLITÁRIO
*
Comprei uma rede branca
Para embalar nosso amor
E nela eu fiz um bordado
Salpicadinho de flor
Mandei quarar e lavar
Só pra nós dois chamegar
Era um sonho promissor.
*
Um armador solitário
Cansou-se de tanta espera 
No alpendre brotou flores
Anunciando a primavera
Nem cheguei armar a rede
Em seco engoli a sede
Sepultei nova quimera.
*
Dobrei a rede bonita
Dentro da mala guardei
Perante o sonho abortado
Confesso não fraquejei
Coração aventureiro
Tem sempre outro roteiro
Nisso eu jamais me enganei.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda

segunda-feira, 22 de outubro de 2018

Do roteiro cultural no Cariri.


Do roteiro cultural no Cariri.
Vandinho Pereira e a tapioca de Miguel.
Chegamos ao Crato na parte da tarde.
Logo que cheguei meu amigo, o poeta Ernane Monteiro, entrou em contato e já foi dizendo que estava agendando uma entrevista com Vandinho Pereira no programa da Verde Vale, o Ceará Diverso. Como dizer não?
Conversei com os companheiros, que concordaram. Daí foi só tomar um banho rápido e pegarmos o caminho do Juazeiro com as bênçãos do meu “Padim.” E lá fomos nós: Dalinha Catunda, Moreira de Acopiara, Rosário Pinto, Tião Simpatia. Lá encontramos o repentista Agostinho de Oliveira afinando sua viola.
Miguel Teles, esposo da poetisa Josenir Lacerda, foi requisitado para nos levar e atendeu prontamente nosso pedido.
Pois bem, a noite não terminaria após o programa, atendendo a vontade de todos, Miguel Teles nos levou para comer da tapioca feita por ele que já tem marca registrada.
Perto e meia noite retornamos ao hotel, felizes e saciados com os mimos e guloseimas do casal, Josenir Lacerda e Miguel Teles.
A palavra final é GRATIDÃO, aos amigos que se desdobram para nos receber bem.
*
Texto e foto de Dalinha Catunda
Cadeira 25 da ABLC
dalinhaac@gmail.com