Seguidores

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

O Brasil está lascado, Coitado do brasileiro



O BRASIL ESTÁ LASCADO
COITADO DO BRASILEIRO.
*
Já é tempo de eleição
E eu assisto no jornal
O programa eleitoral
Candidato e falação
É uma esculhambação
Ocupando o picadeiro
Nunca vi maior salseiro
Entre o sujo e o mal lavado
O BRASIL ESTÁ LASCADO
COITADO DO BRASILEIRO.
*
Ficha suja não podia
Concorrer em eleição
Gritaram seu nome em vão
Porém o povo sabia
Que o tal partido iludia
O eleitor companheiro
Nunca se viu prisioneiro
Em urna sendo indicado  
O BRASIL ESTÁ LASCADO
COITADO DO BRASILEIRO.
*
Uma faca apareceu
No meio da multidão
Não sei de quem foi a mão
Que aquela mão má ergueu
E o vitimado cresceu
Comovendo o povo inteiro
Chegando a ser o primeiro
Mesmo sem ser preparado
O BRASIL ESTÁ LASCADO
COITADO DO BRASILEIRO.
*
Vi arrotando arrogância
E sendo contraditório
Em seu interrogatório
Usava de discrepância
Pela sua ignorância
Pelo seu jeito coiceiro
Não é mesmo um cirandeiro
É jumento batizado
O BRASIL ESTÁ LASCADO
COITADO DO BRASILEIRO.
*
A mulher bate nos peitos
E clama por igualdade
Mas some na realidade
E só volta em novos preitos
Falando em nossos direitos
Esnobando ex-companheiro
Escondida no palheiro
Não vem para o nosso lado
O BRASIL ESTÁ LASCADO
COITADO DO BRASILEIRO.
*
Contudo ao que me parece
Embora eu goste da vice
São Paulo é só mesmice
E acusação aparece
Tem gente fazendo prece
E despachando em terreiro
Pois dinheiro aventureiro
Em caixa dois foi citado
O BRASIL ESTÁ LASCADO
COITADO DO BRASILEIRO.
*
Eu não caprichei na glosa
E nem quis explicitar
Pois nem sei em quem votar
A disputa é desditosa
Sem pátria vitoriosa
Nada é alvissareiro
Estamos sem paradeiro
No mote dou meu recado:
O BRASIL ESTÁ LASCADO
COITADO DO BRASILEIRO.
*
Versos de Dalinha Catunda

quarta-feira, 12 de setembro de 2018

Coração Manhoso


CORAÇÃO MANHOSO
*
Meu coração nunca foi
Coiteiro de solidão
Nos braços de novo amor
Chorava a velha paixão
E trocava o que seria
Maus momentos de agonia
Por uma nova ilusão.
*
Não foi de me dar desgosto
Bate manhoso em meu peito
Cheio de cumplicidade
Desdenha de amor desfeito
E nunca me desabona
Sempre apoia sua dona
Na hora de novo preito.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda

terça-feira, 11 de setembro de 2018

VOO DE PRIMAVERA


VOO DE PRIMAVERA
*
Pela fresta da janela
Penetra a brisa ladina
Eriçando os meus pelos
Fresca noite setembrina
Que sopra nova quimera
Prenúncio de primavera
Surge em aura Libertina.
*
Os sonhos se fortalecem
Em meio à escuridão
Entre o cetim me revolvo
Dando asas ao coração
Vislumbro no meu anseio
O voo do pombo correio
Que não erra a direção.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda


domingo, 9 de setembro de 2018

MONTANDO VERSOS


MONTANDO VERSOS
*
BASTINHA JOB
Já fui boa amazona
Gostava de cavalgar
Tinha um cavalo baixeiro
Elegante no trotar
Hoje não monto mais nada
Vivo de crina abaixada
E nem me atrevo a trepar.
*
DALINHA CATUNDA
Eu aprendi a trepar
Não escorrego nem caio
Me trepo até em jumento
Carregado de balaio
Aprendi lá no sertão
Monto sem cair no chão
Sem precisar de ensaio.
*
BASTINHA JOB
Tenho certeza que caio
MINHA querida Dalinha
A velhice é atestado
Dessa invalidez só minha:
Nas pernas não me sustento
Não trepo nem em jumento
Nisso você é rainha!
*
DALINHA CATUNDA
A idade não me aporrinha
Cansaço inda não bateu
Eu não vou cruzar as pernas
Monto um baio que é só meu
Meu sonho não é quimera
Renasce na primavera
Meu gosto não pereceu.
*
Foto do acervo de Dalinha Catunda

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

MÃE E FILHA NA TRAMA DO AMOR


MÃE E FILHA NA TRAMA DO AMOR
*
Sentadinha na cadeira
Ponto a ponto fia a vida
Com sua filha querida
Que além de filha é parceira
Tece a mulher fiandeira
Trama na ponta da agulha
Assim na arte mergulha
Entrelaçando amizade
E nessa cumplicidade
Uma da outra se orgulha.
*
Versos de Dalinha Catunda
Fotos de Anilda Figueiredo

segunda-feira, 30 de julho de 2018

MATURIDADE


MATURIDADE
*
De etapas é feita a vida    
É bom apender viver
Sem medo de envelhecer
Sem se sentir abatida
Pegando firme na lida
Do jeito que nos convém
Pois quando a idade vem
Traz junto a sabedoria
Da manha brota a magia
Que leva a mulher além.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda

domingo, 29 de julho de 2018

DITADURA DA BELEZA


 DITADURA DA BELEZA
*
Eu sei que chega a idade
Mas não nos tira o juízo
Não quero ter prejuízo
Nem em nome da vaidade
Cometer barbaridade
Meu corpo violentar
E só para aparentar
Uma falsa juventude
Acabar num ataúde
Eu não posso imaginar.
*
A mulher acha defeito
Em tudo quanto é lugar
Cintura quer afinar
Pro corpo ficar perfeito
Põe silicone no peito
Acha pouco e se aprofunda
Manda reformar a bunda
Fazendo preenchimento
Mas chega um dado momento
Que para na cova funda.
*
Tem mulheres que o rosto
Parece caricatura
Deformam a criatura
Que olhando só dá desgosto
Porém falo a contragosto
Dessa loucura total
Suponho não ser normal
Pois em tudo tem a mão
Do chamado charlatão
Não de um profissional.
*
Quanto choro derramado
E quantas vidas perdidas
Operações descabidas
Quanta falta de cuidado
Propaganda no mercado
Onde a beleza reluz
Mas que nem sempre traduz
O melhor para a mulher
Que procurando o que quer
Acaba achando uma cruz.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda

quinta-feira, 26 de julho de 2018

TUDO JUNTO E SEPARADO


TUDO JUNTO E SEPARADO
*
Um amigo perguntou
Eu vou tentar responder.
Por que é que SEPARADO
Junto se deve escrever,
Por que é que TUDO JUNTO          
Separado tem que ser?
*
SEPARADO é escrito assim,
Pois pede a ortografia.
TUDO JUNTO, também segue,
Regras da nossa grafia.
Sei que é paradoxal
A língua nos desafia.
*
Porém para TUDO JUNTO
Não ficar mais SEPARADO
Eu sugiro que o amigo
Use o termo MISTURADO.
E o SEPARADO separe
Usando: POSTO DE LADO.
*
Amigo só respondi
Porque fiquei curiosa
Eu nunca fui professora
Sou somente estudiosa
Mas não fique a me testar
A ideia é desditosa.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda


BATE PINO DE BIELA / QUEM ME ENFRENTA EM CANTORIA.

BATE PINO DE BIELA
QUEM ME ENFRENTA EM CANTORIA.
DALINHA CATUNDA
Nem venha na contramão

Não estou de sacanagem
Eu já peguei embalagem
Pois soltei o “frei” de mão
Sou boa na direção
Carreguei a bateria
O farol que me alumia
Deixa minha ode bela
BATE PINO DE BIELA
QUEM ME ENFRENTA EM CANTORIA.

*

JERSON BRITO
O camarada metido
A fazer verso rimado,
Se for fraco, tá lascado,
Comigo fica perdido.
Vai ter o motor fundido,
Amassar a lataria.
No rali da poesia,
O bicho se desmantela.
BATE PINO DE BIELA
QUEM ME ENFRENTA EM CANTORIA.
*
Mote: Silvano Lyra

quarta-feira, 18 de julho de 2018

ROUPA DE BONECA


ROUPA DE BONECA
*
Hoje sentei frente a maquina
E resolvi costurar
Pra vestir uma boneca
Que eu acabei de ganhar
Ela aqui chegou despida
Mas já está bem vestida
Em estilo popular.
*
Tem corpo de manequim
Essa boneca elegante
Pra ela cosi calcinha
Na cabeça pus turbante
E pra ficar mais bonita
Fiz um vestido de chita
Ficou bem interessante.
*
Assim trouxe meu passado
Para brincar no presente
Lembrei bonecas de pano
Que me deixavam contente
Roupinhas fazia à mão
Recordo com emoção
Os tempos de antigamente.
*
Por isso mesmo vesti
Com vestido de São João
Para homenagear
As festas do meu sertão
Pra lembrar as brincadeiras
Na cidade de Ipueiras
O meu saudoso rincão.
*
Versos e foto de Dalinha Catunda