Seguidores

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

AFLORA A LIBERDADE


AFLORA A LIBERDADE
*
Já fui árvore nativa
Crescendo bem natural
Mas o machado da vida
Em mim fez corte brutal
Com sua poda inclemente
Quis me fazer diferente
Mas teimei em ser igual.
*
Por ter raízes profundas
Presa a terra continuei
E nos troncos decepados
Ramagem nova espalhei
De cada poda aplicada
Saía revigorada
Por isso me propaguei.
*
Florida reflorescida
Dei fruto também semente
A parte que foi podada
Cresceu abundantemente
E na estação das flores
Dos sonhos ouço rumores
Perfumando meu presente.

*
Versos e foto de Dalinha Catunda

Um comentário:

Ricardo- águialivre disse...

Forte e maravilhosa inspiração. Gostei muito de ler
.
Deixo cumprimentos