Seguidores

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

DALINHA E JOSENIR NUM CANTO DE SAUDADE





 Dalinha Catunda e Josenir Lacerda, num canto de saudade

“Hoje morro de saudade
Das coisas do meu sertão”
Mote de Dalinha Catunda
Já saltei muita fogueira
Trazendo fita nas tranças
No meio daquelas danças
Gostava da brincadeira
Muito sapeca e faceira
E cheia de animação
Sorria meu coração
De tanta felicidade,
“Hoje morro de saudade
Das coisas do meu sertão”
Dalinha Catunda
*
O sol cansado se aninha
No colo do horizonte
Banha de dourado, o monte
E a noite já se avizinha
Nostalgia é ladainha
Que o meu pensamento invade
Relembrando a mocidade
Feito um bater de pilão
Hoje eu morro de saudade
Das coisas do meu sertão.
Josenir Lacerda
*
Josenir Alves Lacerda
Natural de Crato – Ceará, onde reside, filha de José João Alves e Auzenir Amorim da Franca Alves, artesã, funcionária da Teleceará, aposentada. Co-fundadora da Academia dos Cordelistas do Crato, cadeira nº 03 patrono Enéas Duarte e membro da Academia de Literatura de Cordel – ABLC, cadeira  nº 37. Patrono José Soares ( O Poeta Reporter)
Tem cerca de 80 trabalhos publicados, destacando-se “O Linguajar Cearense,” “De volta ao Passado” e “Amedicina no cangaço”

Maria de Lourdes Aragão Catunda – Dalinha Catunda
Nasceu na cidade de Ipueiras sertão do Ceará onde também nasceram os poetas, Costa Matos e Gerardo Melo Mourão, sendo cria do mesmo barro não se intimidou ao cantar sua terra e trafegar pelo mundo da poesia.
Faz recitais, escreve em blogues, jornais e membro da ABLC – Academia Brasileira de Literatura de Cordel ocupando a cadeira 25. É membro correspondente da AILCA – Academia Ipuense de Letras, Ciências e artes.
Contato: dalinhaac@gmail.com
Fotos do acervo de Dalinha Catunda

2 comentários:

edumanes disse...

Duas amigas
Num conto de saudade
Ouvindo lindas cantigas
No dia da felicidade

Recordando
Momentos passados
São contos
Muito engraçados!

Bom fim de semana para você,
amiga Dalinha,
uma abraço
Eduardo.

João Poeta disse...

Bom dia Dalinha!
Hoje é feriado nacional
Dia livre para ler e recordar
As páginas que escrevi
No livro do meu quintal.

De carretel de linha
Fiz carrinhos de boi
Meus brinquedos eram simples
E a infância se foi!

Agora brinco com as letras
Tocando um teclado qualquer
Que pena, não haver mais a "pena"
Que me lembra uma santa mulher.

Minha primeira professora
Um lousa de pedra na mão
Conheci a palmatória
E de perto os castigos de então.
Um abraço de saudade.
Até...