Seguidores

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Dalinha Catunda e Fred Monteiro Contando História














Dalinha Catunda e Fred Monteiro 
Contando História
*
 A casa em que me criei
Hoje não é mais igual
Já perdeu o seu quintal
E as árvores que plantei.
Depois que me afastei
Só ficou mesmo a lembrança
Dos meus tempos de criança
Que registrei na memória,
Hoje só conto a história
De quem viveu na bonança
Dalinha Catunda

Meu abrigo original
depois que eu vi a luz
ainda hoje me seduz
com seu encanto ideal
no fundo tinha um quintal
que era a ponte da aliança
onde a paz fez a chegança
a parada obrigatória
Hoje só conto a história
de quem viveu na bonança
Fred Monteiro
*
Dalinha e Fred Monteiro
relembram o belo passado
com um quintal arborizado
e uma casa com terreiro,
tudo era verdadeiro
reinava a esperança,
como era bom ser criança
sonhar um porvir de glória
 

HOJE SÓ CONTO A HISTÓRIA
DE QUEM VIVEU NA BONA
NÇA! 

Bastinha Job 
Fred Monteiro
Amiga Dalinha.. o bom da vida é a certeza do dever cumprido. Então a saudade, quando aparece, é uma saudade boa, que nos leva a agradecer ao Pai Eterno tanta felicidade que a gente tem e às vezes nem valoriza.


Quando a saudade me aperta
de tanta lembrança boa
eu juro: não foi a toa
procurei a trilha certa
pois se o destino me oferta
felicidade e abastança
tenho toda a confiança
no Pai, no Senhor da Glória

  hoje só conto a história
de quem viveu na bonança
Mote de Dalinha Catunda

9 comentários:

✿ chica disse...

LINDO dueto!!beijos,chica

Anônimo disse...

Dalinha e Fred Monteiro
relembram o belo passado
com um quintal arborizado
e uma casa com terreiro,
tudo era verdadeiro
reinava a esperança,
como era bom ser criança
sonhar um porvir de glória
HOJE SÓ CONTO A HISTÓRIA
DE QUEM VIVEU NA BONANÇA!

Bastinha Job

Unknown disse...

Amiga Dalinha.. o bom da vida é a certeza do dever cumprido. Então a saudade, quando aparece, é uma saudade boa, que nos leva a agradecer ao Pai Eterno tanta felicidade que a gente tem e às vezes nem valoriza.


Quando a saudade me aperta
de tanta lembrança boa
eu juro: não foi a toa
procurei a trilha certa
pois se o destino me oferta
felicidade e abastança
tenho toda a confiança
no Pai, no Senhor da Glória
e hoje só conto a história
de quem viveu na bonança

Tais Luso disse...

Aqui para matar as saudades!
Adorei, gosto disso...
Beijos, Dalinha!

Fred Monteiro da Cruz disse...

Dalinha.. o unknown aí do lado sou eu.. esqueci de escolher a identidade na hora de clicar "publicar comentário".. Abraço!

Dalinha Catunda disse...

Olá Chica,
obrigada pelos comentários e pelo carinho,
Bjim

Dalinha Catunda disse...

Olá querida Taís,
Bom vê-la por aqui.
Vou aparecer, um beijo.

Dalinha Catunda disse...

Bastinha, é sempre muito bom ter você por aqui com seus versos.
Bjim

Dalinha Catunda disse...

Olá Fred,
Já coloquei seu nome lá,
Um abraço e obrigada pelas interações.