Seguidores

segunda-feira, 27 de agosto de 2007

LANGOR

Dalinha Catunda

LANGOR

Uma aura de melancolia,
sombreava seu semblante.
Seus olhos olhavam e não viam,
perdiam-se no horizonte.

Quanta tristeza contida,
naquele rosto moreno.
Sua face se orvalhava,
feito uma rosa ao sereno.

Que inferno lhe consome?
Que dores lhe afligem o peito?
Parece dor de amor,que fina,
e não tem mais jeito.

Talvez ela ainda não saiba,
que não se morre de amor.
Mais um pouco, cessa o choro.
E vai-se embora o langor.

4 comentários:

Tereza Mourão disse...

Dalinha, realmente esta poesia retrata uma época difícil na sua vida, mas vc, como uma guerreira das caatingas, não se entrega fácilmente e luta contra as adversidades da vida e mostra para que veio ao mundo. Esta poesia cheguei a ver em uma resposta sua no site de Soares Feitosa http://www.jornaldepoesia.jor.br/sfalidio2.html#dalinha , depois de ler uma matéria sobre Antonio Gonçalves da Silva, o nosso Patativa do Assaré.Parabéns, que sua estrela continue a brilhar sempre.

Anônimo disse...

Dalinha, pelo que sei de você não tem só alegrias mas altos e baixos, esse seu trabalho é atual, retrata a incontante alternância de sentimentos que todo artista traz no peito, tal inconstância a faz criar, e até na dor saem pérolas.Alegre-se e continue, a próxima criação é de alegria.

do amigo Bérgson Frota

Jean Kleber Mattos disse...

A dor do poeta parece ser sempre maior porque o poeta vai fundo. Sei que V. não dá espaço para a tristeza. Caiu, levantou! E a gente capta bem essa atitude em seus versos, tanto estes como outros mais que tive o prazer de ler. Gostei muito. Abração.

Anônimo disse...

Amiga,não é a busca da outra metade da laranja que nos encaminha para um sentido de viver.Nascemos por inteiros completos. Crescemos com nossas experiências,não seria abusca de nossametade que nos fará feliz,mas o encontro de´partes completas para dividir sonhos.Não há fórmula para ser feliz. Para você ,com carinho . Te amo amiga.