Seguidores

domingo, 7 de outubro de 2007

ANSELMO VIEIRA


Foto: Leonardo Mota e Anselmo Vieira
ANSELMO VIEIRA
Um Cantador das Ipueiras

Anselmo Vieira de Souza, nascido nos idos de 1867, viveu por muito tempo, na cidade do Ipu. Mas na verdade, é um ipueirense nascido na fazendola Ilha Grande, perto de Nova-Russas, no município de Ipueiras.

Completamente analfabeto, mas apaixonado desde criança pelos desafios que escutava nas pelejas dos menestréis que circulavam pela sua região, não demorou a fazer versos e se tornar um repentista de renome, aparecendo entre os mais consagrados cantadores do Nordeste que foram biografados por Leonardo Mota, escritor que se dedicou a resgatar essa cultural oral enriquecendo o folclore nordestino.

Anselmo Vieira nunca viveu do ofício de cantador, somente nos tempos das grandes secas, ele saia pelo mundo atrás de ganhar o pão de cada dia usando seus dotes de repentista,

De seu repertório pincei esses versos que representam, muito bem, a situação do nordestino que se transforma em nômade ante a desgraça da seca:

“Patrão, eu to lhe pedindo
Sua boa proteção,
Deixei o meu natural,
A poeira do meu chão,
E vim pra este lugá
Coberto de precisão,
Me valendo dum e doutro,
Mode vê que é que me dão,
Só não quero que me digam:
“vá trabaia,seu ladrão”

O poeta e escritor Gerardo Mello Mourão, confessa que Anselmo Vieira é uma das referências em sua vida literata, pois muito se inspirou nos cantadores das feiras de Ipueiras, onde Anselmo era atração.
Em seu livro “Rastro de Apolo” enaltece o vate ipueirense louvando-o com alguns versos.

Ariano Suassuna, numa entrevista, admite que, “O Auto da Compadecida” foi baseado nos versos de três repentistas nordestinos, sendo um deles o caboclo Anselmo Vieira.

Enquanto Gerardo Mello Mourão, Ariano Suassuna e Leonardo Mota, dão crédito aos feitos desse competente cantador analfabeto que bordou com lindas palavras nossa história ipueirense, a própria Ipueiras, é analfabeta em relação a Anselmo Vieira de Sousa que não deixa de ser um patrimônio cultural dessa cidade.
Dalinha Catunda
Ipueiras-Ce

Um comentário:

Jean Kleber Mattos disse...

Eita resgate! É isso aí Dalinha. Com o texto sobre Anselmo você está prestando um inestimável serviço à Ipueiras e ao Nordeste. Um povo que não conhece sua história, seus artistas, seus cantadores, seus pioneiros, terá sempre problemas de identidade. Valeu. Um abraço.