Seguidores

quinta-feira, 30 de abril de 2009

ANIVERSÁRIO DE DONA MARIA


Foto de Dalinha Catunda
Nota do blog: Começamos com Edmar Júnior, (neto de dona Maria), Brena(filha), Edmar (filho), Dalinha Catunda ao lado de dona Maria e Sandra(Nora).
Foto batida em janeiro, no almoço que ofereci em meu sítio em Ipueiras-Ce.

DONA MARIA

__Quem é dona Maria?
Para muitos uma mulher durona, cara fechada, de difícil sorriso e difícil convivência.
Mas se dona Maria é tudo isso, ela guardou o seu melhor para mim.
Pois tenho dela sempre o melhor sorriso, seu abraço mais apertado, sua palavra de carinho e a comida mais saborosa.

Quando estamos juntas o que não falta é alegria. São piadas, gargalhadas e muita conversa. Temos uma afinidade muito grande. Não sei medir o meu bem-querer por ela.
Ela é meu ombro amigo, o colo que às vezes sinto falta e a palavra certa que muitas vezes quero ouvir. Sei que não devo ser diferente para ela.

Dia 02 de maio, esta serrana que trocou o frio da serra pelo calor do sertão faz aniversário. E eu quero deixar aqui os meus mais sinceros votos de felicidade, de saúde,
Que Deus ilumine sua vida, guie seu destino e lhe conceda muitos anos de vida. Pois quero desfrutar e muito dessa amizade.

A dona Maria meu beijo carinhoso e meu abraço sincero.

ESTAÇÃO DIGITAL


Estação de Ipueiras hoje


Estação de Ipueiras do passado

A estrada de ferro do Brasil foi inaugurada no dia 30 de abril de 1854,
daí o motivo de se comemorar nesse dia, o dia ferroviário.

ESTAÇÃO DIGITAL

Ela já não é mais cor-de-rosa, mas, mesmo assim não perdeu sua graça.
Está diferente esteticamente, e já não exerce a mesma função.

Felizmente não teve a sina de tantas outras que caindo no esquecimento pouco a pouco vão desmoronando e deixando nos escombros parte importante de nossa história ferroviária.

Reformada, de cara nova, ganhou um tom amarelado e cumpre um importante papel. Transformou-se em Estação Digital, beneficiando crianças ipueirenses de baixo poder aquisitivo, que têm hoje, a oportunidade de manusear um computador e apostar num futuro menos desigual.

Eu particularmente tenho grande apreço por esta estaçãozinha do interior. Durante muito tempo, meu avô, Gonçalo Ximenes Aragão foi Agente Ferroviário ou chefe de estação, como se costumava falar em Ipueiras, onde fez história e colocou os filhos nos mesmos trilhos.

Se hoje por falta de interesse dos governantes deste país, nosso trem saiu dos trilhos, tenho pelo menos, o conforto de saber, que numa cidadezinha do interior que se chama Ipueiras a fachada da história continua de pé, e que o barulho da sineta novamente será ouvido, e uma nova linha entrará em ação tendo como ponto de partida: A ESTAÇÃO DIGITAL.

Texto de Dalinha Catunda

quarta-feira, 29 de abril de 2009

A BORBOLETA E O CAÇADOR


Imagem:241 x 280 - 19k - bmp - 2.bp.blogspot.com/_soZqdmUvIeI/SU5aPrrnpKI/AA...
Texto de Dalinha Catunda

A BORBOLETA E O CAÇADOR

Era uma vez uma linda borboleta colorida que voava feliz por entre as flores.
Cheirava uma flor, pousava em outras, dava voltas e mais voltas, abria e fechava suas asas ornamentando a paisagem natural.

Muitas vezes ela aparecia entre um bando de borboletas amarelas, o que realçava ainda mais sua beleza. Quando voava, as pequenas borboletas voavam atrás como se atraídas pelas asas coloridas que batiam graciosamente.

Sua beleza era tanta, que acabou atraindo um olhar mais egoísta. Um caçador de borboletas! Ela tentou, de todas as formas, escapar do tal caçador, porém sua fragilidade era tanta, que acabou sendo presa fácil na rede do colecionador.

E assim se foi... A borboleta colorida, o encanto da natureza, o exemplo de liberdade, de beleza, que fora arrancada de seu habitat sem finalizar seu ciclo.

Hoje certamente, ela se encontra aberta dentro de um livro ou numa vitrine, sem brilho, sem movimentos, prestes a transformar-se em pó e longe dos olhares ávidos de beleza natural.

Os amores e as paixões egoístas tendem a aprisionar em redomas o objeto de seus desejos, sem dar-se conta que assim procedendo estarão destruindo o que tanto lhe apraz.

segunda-feira, 27 de abril de 2009

UM BOI REBELDE


Texto e foto de Dalinha Catunda

UM BOI REBELDE

Meu boi andava um tanto sem apetite para minhas vacas, que na verdade, não eram lá, essas coisas! Mal servido, andou pulando cercas, encrencando-me com a vizinhança, fazendo arruaça, enfim, pintando o sete.
O Diabo do boi era bonito..., preto, lustroso, bem parecido, mas em comportamento, era a pintura do cão.

Meu caseiro, sem simpatia nenhuma, nem paciência, para com o boi vadio que não lhe dava sossego, por sua vez, tirava também meu sossego, batendo na mesma tecla, que eu deveria vender aquele animal para evitar aborrecimento.

Aquilo me aporrinhava, porque na verdade, era eu tomada de uma grande simpatia por aquele boi preto, teimoso, que tinha vontade própria, e pouco estava ligando para o politicamente correto.
Sempre me encantei com a criatividade dos transgressores. A cada queixa que meu vaqueiro fazia, eu ficava séria, para impor respeito, mas intimamente sorria e vibrava.

No entanto, a última que ele aprontou, obrigou-me a tomar uma atitude mais firme.
Não tendo mais pasto, aluguei o pasto do Chico Novo. O boi achando pouca suas arruaças inventou de jogar-se dentro de um silo vazio. E para retirá-lo de lá? Depois de frustradas tentativas, a única solução era o trator da prefeitura que a mim fora gentilmente cedido para tentar resolver tal problema. Sabe qual foi a atitude do boi quando viu a aproximação do trator? Feito um animal alado voou buraco a fora e “ganhou o Bredo.” Pense!!! Se um bicho desses é cria de Deus. E ainda dizem que é um animal sagrado em algum lugar!

A contra gosto coloquei o boi a venda. Sua ficha pregressa dificultava qualquer possível negociação, o que de certa forma me aliviava a alma. Não tinha nenhuma vontade mesmo, de vender aquele bicho. Por mais trabalho que ele pudesse me dar.

Por via das dúvidas resolvi tentar comprar outro boi que abraçasse com gosto as obrigações não cumpridas, pelo inadimplente, ou seja: se engraçar com minhas vacas, fazer as honras do campo e sossegar no pasto multiplicando o rebanho.

Depois de uma longa procura, cheguei a Cláudio, criador de caprinos, ovinos, bovinos, que de certa feita, me vendera uma cabra anciã, dizem que a velha cabra já era até tetravó

O ar tímido de Cláudio, que hoje eu já traduzo como sonsice, me fez ficar de pé atrás. Tanto, que fiz um verdadeiro interrogatório sobre o animal que ele pretendia vender.
Era um gir, e eu estava querendo justamente um gir.

_E aí, Cláudio, estou querendo comprar um boizinho e de preferência, que fosse um gir.
-Ora Dalinha, meu irmão Didi, tem um maaansinho. Mas tão mansinho que quando a gente passa a mão nele, ele vai logo levantando o rabo.
_Serve não, Cláudio!
___ Mas por quê?
___ Estou procurando um boi que levante outra coisa, Que levante o rabo eu já tenho um lá em casa.
Ele muito sem graça me olhou com uma cara espantada e falou:
___ Mas se ele não der conta do serviço a senhora pode devolver.

Moral da história, nesse meio tempo chegou o inverno, muita comida, vacas bonitas, meu boi recuperou a libido, não pulou mais cerca, Minhas vacas começaram a dar mole para ele e ele dando duro em cima delas e foi felicidade geral.
Com tudo a disposição, o boi passou a se comportar como manda o figurino. Tudo que ele queria eram melhores condições de vida, para que tudo voltasse à normalidade.
Assim sendo, apesar do desapontamento do meu caseiro, vejo minhas vacas contentes, meu boi cheio de gás e eu como proprietária, feliz e aliviada.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

O JATOBÁ BOTOU ÁGUA!


Imagem do Jatobá em tempos de Cheias.Rio que nasce em Ipueiras.
Foto do meu amigo Carlos Moreira

O JATOBÁ BOTOU ÁGUA!

Choveu nas cabeceiras
O Jatobá transbordou,
O rio tá botando água!
A molecada se agitou.
E o povo da cidade
Para ver a novidade
Na chuva até se molhou.

Menino pulando da ponte,
Fazendo estripulia.
Com o rio botando água,
Era o que mais se via.
Filho de bananeira
Passava nas carreiras
E na correnteza sumia

O jatobá se zangou
Ficou de toda largura.
Nunca vi cheia maior,
Falava uma criatura,
Vendo a água que corria
Apreciando a magia
Vendo acabar a secura.

Oposto que a meninada
Já preparou o landuá,
Ou garrafa com farinha
Para piaba pescar,
Depois bem salgadinhas
Torrada e com farinha
Melhor tira gosto não há.

As lavadeiras, garanto!
Já começaram a cantar,
Cantigas de bater roupa
Nas pedras do jatobá.
É grande a animação
Aqui neste meu sertão
Ao ver a chuva chegar.

Debaixo das oiticicas,
Nas pedras do Jatobá,
Com cachaça e tira gosto,
Diversão maior não há.
Mas isso só tem sabor
Pra quem é do interior
Ou quem já viveu por lá.

Eu só queria saber,
Responda-me, por favor:
Quem tomou banho de rio,
E já morou no interior.
Se não bate uma vontade
De rever a antiga cidade,
Ou só eu sinto esse amor?

quarta-feira, 22 de abril de 2009

SÃO JORGE, GUERREIRO DA FÉ


Imagem:400 x 366 - 33k - jpg - miliotti.files.wordpress.com/.../sao-jorge.jpg

Dia 23 de abril é o dia dedicado a São Jorge, a ele minha homenagem.


SÃO JORGE,GUERREIRO DA FÉ

São Jorge Santo Guerreiro,
Que a Jesus não renegou,
Foi soldado foi capitão,
Por nada no mundo deixou
O amor e a fé em Jesus
Em quem sempre acreditou.

Jovem Soldado Romano,
Sempre servo do Senhor.
A mando de Diocleciano,
Que era o cruel imperador,
Foi torturado e degolado
Por defender seu salvador.

São Jorge Guerreiro da fé
Minha arma é a oração.
A verdade é Jesus Cristo.
Você me ensinou a lição,
E por acreditar em Jesus
Enfrento qualquer dragão.

terça-feira, 21 de abril de 2009

BRASÍLIA


Foto: Dalinha Catunda às margens do Lago Paranoá

Foto:Dalinha Catunda,Tereza Mourão e Rebeca
Estas fotos são do acervo do blog. Fotos do último passeio que fiz a Brasilia.
Hoje, Brasilia faz aniversário e eu presto uma homenagem neste pequeno poema.

BRASÍLIA

O céu azul de Brasília,
O verde daquele chão,
O encanto das paineiras
Em tempos de floração,
Tudo isso faz mais bela
A capital da nação.

Um final de tarde, um barco
Volteando no Logo Paranoá,
A brisa batendo no rosto
Cabelos revoltos a voar,
É um passeio divino,
Confesso espetacular.

Ver a tarde morrendo,
Assistir a noite chegar,
Realmente é imperdível
Nas águas do Paranoá,
Vendo a firula das estrelas
Piscando junto ao luar.

Brasília cidade mágica
Tão bela esteticamente.
Você me impressiona
Com seu jeito diferente.
E com a hospitalidade,
Bem típica de sua gente.

sexta-feira, 17 de abril de 2009

AMOR ANIMAL


olhares.aeiou.pt/abelha_rainha_foto563312.html

AMOR ANIMAL

Era ele zangão rondando
A colméia daquela Rainha.
E ela embevecida,
Aceitava as louvaminhas.

E assim voaram juntos,
E juntos fizeram mel.
Desafiando a tragicidade,
Que envolve cada papel.

Compartilharam com gosto,
A divina geléia real.
Empenharam-se no labor
Do mais belo ritual.

A rainha voltou ao trono
Após o acasalamento.
E ele virou estrela
Luzindo no firmamento.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

INVERNADA


INVERNADA

Dalinha Catunda

No tempo da invernada
O canto da passarada
Encanto meu coração.

Borboletas fazem festa
Sapos afinam sua orquestra
Canta e sorrir o sertão.

Chananas bordam o chão.
Entre salsas e muçambês.
Nos galhos do sabiá
A brancura do florescer.

Carnaúbas batem palmas,
Sentindo o frescor da brisa.
O sol por entre as nuvens,
Meio apagado desliza.

É a estação das chuvas
Trazendo seu esplendor.
É a peitica cantando,
Seu canto repetidor.

É a presença do campina,
Os arrulhos da fogo-pago.
É a alegria do verde,
Que com a chuva brotou.

É a enxada no ombro,
Do nosso agricultor,
Que não carece de esmola
Nem foge ao seu labor.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

NO CEARÁ TEM DISSO, SIM!


Foto e texto de Dalinha Catunda


O LUME DA LAMPARINA

Às vezes ainda pisca,
E minha mente alumia.
O facho esfumaçado
Que antigamente eu vi,
No cantinho da alcova
Que no sertão eu dormia.

Eu ficava maravilhada
Olhando de manhãzinha
Mamãe acendendo o fogo
Naquela rústica cozinha,
Nas mãos o mesmo lume
Que alumiava a noitinha.

De vidro, zinco ou de lata,
De muitos modelos era ela.
Tinha uma alça para segurar,
E um pavio enfiado nela.
Nos velhos tempos, garanto,
Ninguém abria a mão dela.

Quem um dia não recorreu
A luz de uma lamparina?
Lá dos cafundós do sertão
Eu nunca fugi dessa sina,
Já acendi e soprei muito
Seu facho quando menina.

quinta-feira, 9 de abril de 2009

PÁSCOA E PAZ


Foto e texto de Dalinha Catunda.

Optei por usar este arbusto espinhento que tem como uma de suas denominações: COROA-DE-CRISTO para compor o texto, pois acho que ele traduz simbolicamente a nossa caminhada. Flores e espinhos. A sabedoria da vida está em saber conviver com os dois.
Aos meus amigos do blog, UMA FELIZ PÁSCOA!!!!

PÁSCOA E PAZ

Vamos adubar nosso chão,
Plantar justiça, colher a paz.
Ressuscitar sentimentos
Que tanta falta nos faz.
Repudiar a violência
Pois cada um é capaz.

Chega de tanta violência,
Chega de tanta matança.
Chega de tanta maldade
Envolvendo até crianças.
Vamos semear justiça,
E tentar colher esperança.

Cristo foi crucificado,
Para nossa salvação.
Vamos abraçar o próximo,
Como se fosse um irmão.
Vamos ressuscitar a paz,
E abrandar o coração.

quarta-feira, 8 de abril de 2009

FLOR DA PAIXÃO


Texto e foto de Dalinha Catunda

A FLOR DA PAIXÃO

A Flor do maracujá
Conhecida flor da paixão.
Um dia já foi branca,
Contou-me um cidadão.
E que foi o sangue de Cristo,
Que deu nova coloração.

No pé da cruz se avistava
Algumas flores de maracujá.
Com sua coroa de espinho,
Jesus Cristo pôs-se a sangrar
E as brancas flores tingidas
Bem roxas passaram a ficar.

Essa flor carrega consigo
Os pregos da crucificação.
As cinco chagas de Cristo,
Depois da transformação.
Até a coroa de espinhos
De sua árdua coroação.

Se é verdade ou é lenda
Eu não posso afirmar.
Só sei que é misteriosa,
A bela flor do maracujá.
E essa história que ouvi,
Estou somente a repassar.

segunda-feira, 6 de abril de 2009

O FAMOSO CAPITÃO


Foto: viagemesabor.com.br
Texto: Dalinha Catunda

O Famoso Capitão


Muito cedo descobri que na terra de “coroné” se comia Capitão.
Eu das Ipueiras, terra de coronè Zé Bento e tantos outros, confesso que muitas vezes participei desse ritual que muito me agradava.

Alguns falam que aquilo era coisa de escravos, já outros afirmam ser uma herança dos portugueses colonizadores. O que sei, é que, o que eu julguei ser uma exclusividade minha e de meus irmãos, era na realidade, um costume antigo, comum, no interior do Ceará e em tantos outros estados do Brasil.

Conversando com Lou, uma amiga nordestina, das bandas da Serra Grande, ela me falou que os capitães da avó dela eram imbatíveis. E eu, retruquei:--- É que você não conheceu os da minha tia Isa. Quando eles chegavam a mesa as crianças entravam em prontidão a espera do tão esperado e solene momento.

O certo, é que por trás de cada capitão, havia o comando de uma mão mágica e dedicada a nos enfiar goela abaixo aquela distinta autoridade do mais alto escalão. Eram nossas mães, avós e tias que se esmeravam na confecção daquela apetitosa iguaria com o intuito de agradar o paladar dos seus entes queridos.

Pois, na verdade, o inesquecível e famoso capitão, meu, de Lou e de tantas outras crianças, nada mais era que um simples bolinho de feijão amassado com farinha, bem modelado e servido por mãos especiais com carinho e com afeto, o que o transformava simplesmente num manjar dos Deuses.

Era assim que nosso feijão de cada dia passava de um simples soldado raso ao mais famoso capitão. E eu, que sou agarrada às lembranças, fico feliz em fazer parte deste passado, onde batalhões de crianças faziam continência a seu amado capitão.

sexta-feira, 3 de abril de 2009

MANHÃ DE ABRIL


Foto e texto de Dalinha Catunda

Manhã de Abril

Manhã radiante,
Brisa refrescante,
Entrando pela Janela.

A Brisa eriça meus pelos,
Desmancha meus cabelos,
E leva embora as mazelas.

Carinhos da natureza
Chegam com singeleza
Dizendo que a vida é bela.

Por isso sigo em frente,
Se tenho porção carente,
Esqueço, e não dou trelas.

quarta-feira, 1 de abril de 2009

PRIMEIRO DE ABRIL!


Imagem: google texto Dalinha Catunda

PRIMEIRO DE ABRIL

Se você chegasse agora
Dizendo que ia embora
Tuas malas eu até faria.

Acenderia mil velas
Voltava a ver novelas
Dava pulos de alegria.

Deixava de ser morena
E minha boca pequena,
De vermelho eu pintaria.

Caprichava no decote
No cabelo dava um corte
E muito mais me exibiria.

Mas, nem pense na proposta.
Não saia por esta porta.
Porque eu jamais deixaria.

Isto é só uma brincadeira,
Eu não faria essa besteira.
Hoje é primeiro de abril!