Seguidores

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Aniversário da ABLC

Foto: Madrinha Mena, Dalinha Catunda e Gonçalo Ferreira da Silva

Aniversário da ABLC

Nesse 17 de setembro de 2007, a Academia Brasileira de Literatura de Cordel completou 19 anos de existência. Existência essa que se deve principalmente a grande dedicação do seu presidente Gonçalo Ferreira da Silva e da não menos dedicada, Maria do Livramento da Silva ou seja: A Madrinha Mena que junto a Gonçalo formam a base firme dessa estrutura cultural.

A reunião transcorreu num clima animado, onde diversos poetas apresentaram seus cordéis sob os aplausos dos presentes.
Eu, Dalinha Catunda fui a primeira convidada. Em homenagem aos nordestinos que ali se encontravam falei sobre migrantes e declamei um poema com esse tema.

Em seguida Sepalo Campelo fez uma merecida homenagem, ao já falecido, Francisco Silva Nobre que escreveu e publicou mais de cem livros, era um cearense de Morada Nova, grande incentivador da cultura em geral.

Marcus Lucena, cantor, cantador radialista, entre outras coisas, falou da Associação dos Amigos e Defensores da Feira Nordestina, criada recentemente com o intuito de devolver ao nordestino o espaço que hoje se encontra totalmente descaracterizado servindo a outras causas. A peleja é pela volta do espaço real dos nordestinos, onde o cordel e a cultural retomem o lugar merecido.

Não é possível falar de tudo e de todos porém ressalto a apresentação de Manoel Santa Maria que lá esteve com sua namorada Cátia. Um Mineiro de nascimento com uma alma tipicamente nordestina.

Destaco também a presença do cordelista do Rio Grande do Norte Izaías Gomes de Assis que arrancou aplausos da platéia e nos ofertou seus cordéis.

Entre os presentes a participação de Sergival oriundo de Aracaju que nos presenteou com um interessante trabalho cantado e batido na palma da mão.

Não poderia deixar de falar da figura sempre alegre do Campinense, do apoio da Maria do Rosário, sempre pedindo pela ABLC. Do bonito depoimento do Sr. Cavalcante. E das presenças indispensáveis de Dr William J. G. Pinto e Ivamberto.

Isso é mais ou menos um resumo do que fora a plenária em homenagem aos 19 anos de ABLC. Parabéns ao presidente Gonçalo e a Madrinha Mena por essa dedicação a cultura nordestina.



2 comentários:

o moço da bodega™ disse...

Olá, Dalinha.
Muito aconchegante o seu cantinho. Durante vinte anos vivi em Brasília, mas nunca consegui esquecer minhas origens. Fui criado na roça com minha avó materna, bebendo água de pote, chupando mangas, sirigüelas e cajus; ouvindo Marinês, Luiz Gonzaga, Trio Nordestino e Jakcson do Pandeiro. Cresci em meio às roda de cantoria, Coco, mamulengo, feiras e bodegas.

Convido-a a apreciar "A Feira", uma crônica que fiz lá no "Pensamento Livre".
Um grande abraço querida, e muito obrigado pelas palavras de solidariedade.

Anônimo disse...

A ABLC merece muitas homenagens neste seu aniversário, é uma séria academia, que preserva e divulga a cultura do cordel tão rica e nordestina como a poetisa que ora lhe presta neste artigo esta homenagem, Dalinha Catunda.Feliz iniciativa.

Bérgson Frota