Seguidores

quarta-feira, 28 de maio de 2008

A BICA DO IPU


Foto da Bica do Ipu por Malu Mourão
Este poema foi publicado dia 26 de julho no jornal "O POVO" de Fortaleza-Ceará


A BICA DO IPU

O Riacho Ipuçaba
Vem com sua correnteza
Descendo a Ibiapaba
Revelando sua beleza.
Por entre jatos e chuviscos
Despenca do precipício
Nas tramas da natureza.

Molhando a serra azulada
Serenando sobre a mata
Que brilha ao raio solar.
Tudo isso é a cascata
Onde a mais bela nativa
Que do branco foi cativa
Gostava de se banhar.

Um véu branco esvoaçante
Sai rasgando a serra azul.
Este encanto da natureza,
É a famosa Bica do Ipu
Cartão postal consagrado
O véu de noiva tão falado
Que a linda cidade faz jus.

terça-feira, 27 de maio de 2008

DOS SONHOS A REALIDADE


Imagem: cantpoeta.blogspot.com

Dos Sonhos a Realidade
Desde de criança os contos de fadas povoaram a imaginação de Luara. Cresceu sonhando com príncipe encantado, sapatinho de cristal, despertar com beijos, carruagem encantada, três dias e três noites de festa e um, “felizes para sempre”.

Bonita, sensual, nunca precisou perguntar ao espelho se haveria alguém mais bela do que ela. Segura de si, bem cotada no rol das moças casadoiras, príncipe, não lhe faltava. Mas... tinha um porém, encantado!

Escolheu, escolheu, beijou, beijou, sem nunca encontrar a magia dos contos de fadas. Chegou até a pensar em beijar um sapo, mas seu asco pelo batráquio não lhe permitiria tamanho sacrifício, ainda mais sem garantia de metamorfose.

Para Luara príncipe encantado não fazia cocô, não fazia xixi, não roncava, nem soltava pum. Certa vez, um simples pum escapulido, foi motivo suficiente para acabar um relacionamento já bem encaminhado.

O tempo corria e Luara chegou a conclusão que sapo só vira príncipe realmente em contos de fada.
Sem querer ficar para titia, moça velha ou no caritó, como se dizia antigamente, resolveu esquecer as maravilhas que poderia lhe proporcionar uma varinha de condão, como ouvir sinos imaginários, ver estrelas inexistentes escolheu o melhor entre seus pretendentes e casou.

No passado ficaram as ilusões e fantasias.Decidida, viveria da melhor maneira possível o que a realidade lhe oferecia.

Desceu das nuvens, onde construiu seus castelos, esqueceu as mil e uma possibilidades de prazer proporcionadas por uma varinha mágica e pisou firme no chão no intuito de escrever uma nova história onde a maturidade e a sabedoria teriam papéis importantíssimos em sua vida, como o matrimônio, a procriação e os desígnios de Deus.

Se nunca chegou a ser, nenhuma Cinderela ou princesa, também não vive voando em vassouras, nem se sente uma Moura Torta. Outro dia até se espontou, pois a chamaram: RAINHA DO LAR!!!!!!

segunda-feira, 19 de maio de 2008

VIROSE


Imagem retirada do Blog: educacaopublica.rj.gov.br
Poema publicado originalmente no jornal "O Povo" de Fortaleza-Ce

VIROSE

Você me rendeu:
Três poemas,
Uma promessa,
Uma novena
Um punhado de problemas,
Mas felizmente passou.
Me deixou:
Uma gastrite,
Uma falta de apetite,
Embora não acredite,
Meu metabolismo curou.
Achei muito interessante,
Saber ser um vírus mutante,
Do meu mal o causador.
Virose diagnosticada,
Completamente curada,
O tempo, é dos males o senhor.

sexta-feira, 16 de maio de 2008

16 de Maio, Dia do Gari


Foto:Comlurb.rio.rj.gov.com

O GARI

Você que corre quilômetros
Atrás de um caminhão
De porta em porta recolhe
O lixo da população.
Trabalho digno que faz,
Com suor de suas mãos.

Você que capina nas praças,
Cuidando bem dos jardins,
Zelando sempre os passeios,
Numa labuta sem fim.
Mensageiro da limpeza
Posso até chamá-lo assim.

Mas na verdade você é
Nosso tão querido gari.
Zelando bem pela cidade,
Que limpa parece sorrir.
E só você sabe o trabalho
Para essa missão cumprir.

“Profissional da limpeza.”
E digníssimo cidadão,
A você meus parabéns
Eu lhe dou de coração.
Nesse dezesseis de maio
Que lhe dedica a nação.

terça-feira, 13 de maio de 2008

NAS ASAS DA LIBERDADE


Imagem:nathyffa. bloger.com.


Nas Asas da Liberdade

Se muitos Trilham apenas
Os passos da realidade
Eu crio asas e vôo
Atrás da felicidade.
Usufruindo o bom tempo,
Encarando as tempestades.

Se “navegar é preciso”
Voar então, nem se fala.
Os sonhos trazem magia,
Que contaminam a alma,
O corpo todo se anima
E o bom senso se cala.

Algemas, peias e antolhos,
Não prendem pensamentos.
Sem âmago aprisionado,
Sou viajante do tempo.
Antolhos eu os retiro,
Algemas eu arrebento.

Sou passarinho que voa
Sem medo de baladeira.
Mesmo sabendo ser mira
Das velhas atiradeiras
A vida é breve, é fugaz,
Não correr risco é besteira.

Dou linha a minha pipa,
Que se dane o carretel,
Ele que se arraste pelo chão
Enquanto desfruto do céu.
No grande teatro da vida
Sou dona do meu papel.

sexta-feira, 9 de maio de 2008

UMA FLOR DE MÃE


Foto: brgroups.yahoo.com
Essa poesia eu fiz em Homenagem a minha mãe: Maria Neusa Aragão

UMA FLOR DE MÃE

Flor de encanto e ternura,
Coragem da mãe de Jesus
Pelo bem de cada filho
Suporta o peso da cruz.

Flor que se torna fera,
Para defender sua cria,
Às vezes desesperada,
Invoca a Virgem Maria.

Flor de palavras sábias,
Que minha vida conduz,
Do teu ventre abençoado
Vim ao mundo ver a luz.

Flor da qual eu sou fruto,
E um dia me viu crescer,
Só após ter os meus filhos
Eu passei a lhe entender.

Agradeço a minha flor,
A sua eterna dedicação.
Meu coração está repleto
De carinho e gratidão.

MÃE SER ESPECIAL


Foto:expressoes.com.br

MÃE SER ESPECIAL

Ai como sofre sempre
Aquela mãe passarinho,
Que incentiva seu filho
A largar o próprio ninho
Ajudando-o a criar asas
Para seguir seu caminho.

Na hora que o filho voa,
Para conforto do coração,
Apossa-se de um rosário,
E vai debulhando oração
Pedindo em cada conta
Que Deus lhe dê proteção.

Mãe se compara a uma fera
Na defesa do filho querido.
È capaz de matar ou morrer
Para que ele não seja ferido.
Enquanto pode lambe a cria
Venerando o ser concebido.

Dá limite é obrigação,
De toda mãe consciente.
Mas nem sempre é assim,
Que o filho podado sente.
Mas pecar pelo excesso,
É coisa de mãe presente

Não é sempre que se tem
A exata medida na mão
Para aplicar com destreza
A necessária correção,
E se temos que pecar,
Que não seja pela omissão.

Existem mães que não têm,
Dos filhos a compreensão.
Mas ao vê-los bem sucedidos.
Conforta-lhes o coração,
Pois no íntimo elas bem sabem
Que cumpriram sua missão.

Mãe, mulher especial.
Essa é minha tradução.
Muitas vezes é severa,
Noutras é só coração,
Muitas vezes aclamadas
Noutras renegadas são.

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Minha Mãe Iemanjá


Foto:amizade.blogspot.com

Minha Mãe Iemanjá

Agruras...
Quantas agruras!
Ondas e ondas de amarguras.
Entre a vaga e o rochedo,
Parece que sou brinquedo,
Que não tarda a se espatifar.
Por onde anda a senhora das águas,
Que tanto alegrou minha alma,
E não chega para me ajudar?
Se queres rosas como prenda,
Eu te faço as oferendas,
Enfeito com gosto teu mar.
Mas... Tiras de mim a agonia,
Vê se ilumina meus dias,
Minha mãe Iemanjá.
Eu tenho tanta esperança,
Mas em certas circunstâncias,
A carga chega a pesar.
Por isso, eu te suplico,
Ó minha mãe poderosa,
Ponha em meu caminho,
Menos espinhos e mais rosas.

terça-feira, 6 de maio de 2008

MÃE SOLTEIRA


Foto:pat.feldman.com.br
MÃE SOLTEIRA

Não foi descaramento,
Nela não havia maldade.
Apenas impulsos, arroubos,
Sintomas da pouca idade.
Ovelha negra era agora
Na boca da sociedade

Sua barriga crescia,
Seu vestido encurtava,
Sua cintura antes fina,
Dia a dia engrossava,
E o filho feito a dois
Sozinha ela carregava.

Seguiu firme sua sina
Carregando barriga e dor.
Lembrava da mãe de cristo
Que pelo seu filho lutou.
E entregava seu destino
Nas mãos do redentor.

Em nenhum momento,
Seu ato a envergonhou.
Com o nariz empinado,
A caminhada continuou.
Segurou firme nos braços,
O que o ventre lhe ofertou.

Boa mãe é com certeza,
E a outro filho deu a luz.
Continua mãe solteira,
Sem achar que é uma cruz.
Sem dizer amém as regras
Que a sociedade produz.

Apontada como exemplo,
De mãe bem sucedida,
Pelos que antigamente
A chamavam de perdida.
Ela sorri ironicamente
Das voltas que dá a vida.

Amigos viajo hoje para o Nordeste, passarei o restante do mês de Maio.
Dei o blog com postagens sobre mães. Repetirei : Mãe Solteira, poema que gosto muito e tem muito de mim.
Meu abraço carinhoso a todos e Feliz dia das mães a todas as mães

segunda-feira, 5 de maio de 2008

Santa Mãe


Foto:arrastao.org

SANTA MÃE

Ó Santa mãe de Jesus,
Que tanto chorou na cruz,
Poupe-me deste sofrer.

Não deixe esta tua filha,
Que também é uma Maria,
Neste mundo padecer.

Não quero ver em meu rosto
A marca de tanto desgosto,
Que a vida nos oferece.

Não deixe apagar meu sorriso,
Preserve os meus amigos,
E conservarei minhas preces.