Seguidores

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

BOCA DA NOITE NO MEU SERTÃO



BOCA DA NOITE NO MEU SERTÃO
*
Quando dia esmorece
No meu querido torrão.
O sol por detrás da serra
Some com o seu clarão
Tanta beleza irradia
Que a hora da ave-maria
É mágica em meu sertão.
*
O céu com seus entretons,
Seduz em sua gradação.
Difícil não se encantar
Com o ocaso em meu sertão.
A natureza traduz
Em tons, matizes e luz
Um show de coloração.
*
E assim de tardezinha
Fico sempre de plantão.
Esperando um Aracati
Que sopra em meu rincão.
Chegando feito açoite
Abana a boca da noite
E refresca meu coração.

Texto: Dalinha Catunda
Fotos tiradas por mim no meu sítio, por do sol em Ipueiras Ceará.
Visite Também: www.cordeldesaia.blogspot.com

8 comentários:

Nicole Nicolela disse...

Dalinha.. Que lindas fotos !
Encantadoras, convidativas, belíssimas.. Dignas de sua poesia, que não é menos bela
Um beijo

Valter Montani disse...

Paranbéns Dalinha, lindas fotos e poesia, bjs e bom fim de semana.

Eu gostaria de estar mais vezes por aqui, mas infelizmente o dia é curto para tudo. Mas estou sempre em espírito te mandando bons fluídos. bjs

Valdemar Neto disse...

Belos versos, Dalinha... Teus olhos são o lar da belezas que miras e que, enfim, versas com tanto carinho...

Um beijos...

Chica disse...

Muito lindo,Dalinha! obrigado por lé!beijos, estou fora de casa, mas consegui colocar lá!chica

RetroMomentos disse...

Muito encantador este post! Bjs e Obrigada por sua visita no REtroMomentos. Bjs

João Ananias disse...

As imagens são belíssimas Dalinha! E acompanhado de seus versos encantadores se torna um verdadeiro show.
Abraços.

São disse...

Magnífico ocaso o que aqui nos mostra, minha amiga!

AS fotos estão muito boas e o poema também.

No meu grande abraço, desejo de boa semana.

UMA ACORDA DE CORDEL disse...

Olá Dalihna, falar do sertão não é difícil para quem saiu de suas entranhas, sentiu seu encanto do sol raiar à boca da noite, para quem viu brotar na face da terra sua roupa verdejante a cada pingo de chuva, para quem escutou o piar do pintinho saindo do ovo etc, etc, etc...
O sertão é seu Dalinha...
Um abraço de mão...
José Augusto