Seguidores

quinta-feira, 14 de julho de 2011

SALVE O CORDEL ENCANTADO!


SALVE O CORDEL ENCANTADO!
*
Eu sou Dalinha Catunda,
Faço minha louvação
A Duca e Thelma Guedes,
Que deram vez ao sertão
Trazendo com maestria
Entre encanto e fantasia
Cordel pra televisão.
 *
No Cordel Encantado,
Tem princesa e cangaceiro,
Também forró pé-de-serra
Que é o forró verdadeiro,
Tem até Alceu Valença!
E o beato com sua crença
Fazendo grande salseiro.
*
Lendas de reinos distantes
Achegadas de além-mar
Desaguaram no Nordeste
Com o dom miscigenar
O cordel literatura
Fonte de tanta cultura
Que é arte a se propagar.
*
Presenciei no Nordeste
Em festa de são João
Quadrilhas fantasiadas
Com roupas de Lampião
E sem nenhuma querela
Arremedando a novela
Revivendo a tradição.
*
A novela com certeza
Cumpre bem sua missão
Quando coloca no ar
Elementos da tradição
Demonstrando que o cordel
É múltiplo em seu papel
E tem ampla atuação.
*
Agradeço a Thelma Guedes,
Duca Rachid obrigada.
A Rogaciano Leite,
Medalha já consagrada
Pela nossa academia,
Com carinho e alegria
Pra dupla será doada.
 *
Texto de Dalinha Catunda
Imagem: blogtelevisual
Visite também:www.cordeldasaia.blogspot.com
www.rosarioecordel.blogspot.com



9 comentários:

Dalinha Catunda disse...

Olá amigos
Na plenária da ABLC, do próximo sábado, dia 16 de julho de 2011, a ABLC receberá em sua sede em Santa Tereza as autoras da novela Cordel Encantado: Duca Rachid e Thelma Guedes que serão condecoradas com a medalha Rogaciano Leite, medalha esta que é conferida as pessoas que de alguma forma contribuíram para a difusão e grandeza do cordel.
Um abraço,
Dalinha Catunda

Tereza Mourão disse...

Maravilha querida amiga, parabéns mais uma vez por este belo poema, você merece tudo isto e muito mais. Vou divulgar em minhas redes sociais e também para o grupo da nossa terrinha. Bjos no seu coração e sucesso sempre.

✿ chica disse...

Que lindo,Dalinha!

beijos,tudo de bom,chica

Licínio Filho disse...

Oi Dalinha,
justa homenagem às autoras dessa novela, que, em minha opinião, já é um divisor de águas na teledramaturgia, ao fugir do padrão convencional de enquadramento das novelas em geral.
A peleja entre o bem e o mal é muito bem contada, um verdadeiro cordel. Além disso, o cordel se populariza em outras regiões do país e o público passa a valorizar mais a cultura popular brasileira.
Outro ponto que gostaria de destcar na novela é o contexto histórico da República Velha, onde o coronelismo se manifestou teve maior expressão e os conflitos rurais de caráter messiânico, como Canudos, que na novela é sutilmente abordado pela figura do personagem Miguelzinho (alusão à Antônio Conselheiro), além do descaso das elites agrárias regionais com as questões populares. Gosto de sugerir aos meus alunos que assistam a novela e os estimulo a identificar as questões citadas acima. Ufa...estrapolei,hein!?rsrsrs...
Por fim... seus versos ontinuam maravilhosos.
Abração.

Valdemar Neto disse...

Eu acredito que a novela global só aumenta a imagem já matizada do nordeste. Não sei, acho que é porque já declarei guerra essa "midiacracia" que, mais uma vez, coloca pra vender uma imagem falsa danificada até na linguisitica (com a mistura paraíba-pernambuco de maneira irritante). Enfim, só é minha opinião, num país democrático (jura?!). Contudo, belos versos...

CESAR CRUZ disse...

Só desta novela abordar um tema menos urbano e convencional já é um avanço.

Parabéns pelo poema, tão forte!

bjo
Cesar

Fernando Assumpção disse...

Certamente, foi uma grande tarde!!!

Abs!
Fernando Assumpção

Isabela Lacerda disse...

MUITO BOM!!!
Amei seu cordel Dalinha!
E obrigada pela visita ao meu blog e o elogio!
Amei esse seu cantinho aqui.
Parabéns!

Coisinhas Daqui e Dali. disse...

Estou procurando voçe no Facebook :p
Onde está Dalinha?? rsrrrs
Bj