Seguidores

segunda-feira, 11 de abril de 2011

PÁSSARO VOADOR


PÁSSARO VOADOR
*
Arrumei minha gaiola
Esperando você pousar.
Armei meu alçapão,
E você não quis entrar.
Não nasceu para prisão
Seu destino é voar.
*
Salta de galho em galho,
É uma ave de arribação.
Por onde passa faz ninho,
Paradeiro não tem não.
Quando vê uma gaiola
Logo muda a direção.
*
Canto de pássaro preso,
É apenas lamentação.
De passarinho liberto,
Tem outra entonação.
São gorjeios e suspiros
Que brotam do coração.
*
Ser pássaro de gaiola
Nunca foi sua vocação.
Nasceu pra bater asas,
E acho que tem razão,
Não se pode ser feliz,
Trancafiado em prisão.
*
Foto e texto de Dalinha Catunda
Visite também:
www.cordeldesaia.blogspot.com

7 comentários:

... disse...

Oi, obrigado pela visita, vou curiá por aqui um pouco... grande abraço!

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Gaiola, é coisa de Louco
Liberdade é que é coisa de São!

Nunca gostei de gaiola, com pássaros...o bonito é vê-lo
e ouví-lo cartar livre....

Boa e produtiva semana, Dalinha
Carinhoso abraço,
Lucia

Anne Lieri disse...

Dalinha,que poesia mais linda!Passarinho não foi mesmo feito pra ficar em gaiola!Adorei seu poema!Bjs,

✿ chica disse...

Lindo!Eles não são felizes presos! Tua linda interação está lá!Muito obrifgada!beijos,ótima semana!chica

Nicole Nicolela disse...

Ah, asas.. Para deleitar-se onde as limitações não existem. Sonho meu, sonho derradeiro..

Tenha uma ótima semana, cara Dalinha.. Um beijo.

João Ananias disse...

Lindo Dalinha!
Os pássaros vieram ao mundo para serem livres e nos encantar com seus belos cantos. Fora as gaiolas.
Grande abraço.

joaquim da rocha disse...

criticas aos gestores de minha terrinha, estou lhe mandando, pra voce ver como andam os descasos por aqui.
OBRAS INACABADAS EM CHAVAL

Uma das mais importantes obras
Não tem nem mesmo vigilante
Esta virando morada de cobras
E abrigo de perigosos meliantes.

É muito dinheiro público indo pelos ares
Ou quem sabe investido em vacas,
Ate o dinheiro da obra do PROARES
Suspeita-se, gastaram com suas macacas.

E a obra do Estádio Municipal¿
Que era para ser concluída em 90 dias,
Quem foi o cara de Pau
Que desviou toda a mincharia¿

E a quadra de esportes atrás da Delegacia¿
Que começou a mais de dois anos,
Será que o dinheiro também entrou na folia¿
Se entrou, nossos jovens entraram pelo cano.

E na saúde¿ iniciaram obras de dois postos
E tudo indica que a verba já foi liberada,
Suspeitamos que mais este que veio dos impostos
Já esteja no bolso de um iluminado camarada.

E as obras das casas populares¿
No Porto da Missa e Escondido
A entrega que foi feita a familiares
Está parecendo mais um castigo.

Vejam o descaso com a Rua Major Fiel
Uma das mais importantes de Chaval,
Barbaridade, gestora está sendo cruel,
Mais gastou fortunas em carnaval.

Enquanto isto na Rua Edmundo Pinto
Sepultaram todo o antigo calçamento
Só ai muito dinheiro sujo ficou limpo
E o eleitor burro, com cara de jumento.

Ainda acham ruins quando falo
Mais a coisa anda mais que preta
Mais de 50% dos impostos indo para o ralo
Quem sabe, para o bolso do malinha, maleta.

Enquanto esperamos pela justiça
Ou por Jesus nosso Salvador
Acreditamos que manjar não é pizza
Nem ser honesto é favor.

POETA: JOAQUIM DA ROCHA.