Seguidores

domingo, 25 de abril de 2010

MEU ÍDOLO, ZECA FROSINO


Foto do acervo do blog

MEU ÍDOLO, ZECA FRoSINO

Hoje estou aqui, na difícil missão de falar de um amigo muito querido, que me deixou órfã.
Não era meu pai, mas me chamava de filha, seu abraço era tão sincero que era até difícil não me sentir um pouco sua filha mesmo. Dele eu recebia: Carinho e carão.

Eu que sempre tive uma grande admiração por este homem conhecido como “Zeca Frosino” e muito escrevi a respeito do mesmo, hoje não acho as palavras certas para expressar o tamanho da minha dor, da minha tristeza e do meu abatimento diante dessa grande perda.

Quero deixar aqui meu pesar e dizer que mesmo distante, minha dor incalculável, quero deixar meus sentimentos e o quanto lastimo a partida deste velho amigo.

A dona Maria, esposa de Seu Zeca, aos filhos e filhas do casal e toda família, minhas mais sinceras condolências, minha solidariedade e meu carinho.
Dalinha Catunda.
Nestes versos conto um pouco da caminhada de Zeca Frosino.

O Sonho de Zeca

Um dia, um homem do povo,
Resolveu alegrar o sertão.
Teve uma idéia singela,
Que transformou em ação.
Com pouco recurso montou,
O plano do seu coração.

Com sua sabedoria,
Começou a matutar...
Tem que ser na lua cheia,
P’ra aproveitar o luar.
Assim ficará mais fácil,
P’ro povo se deslocar.

Com uma garrafa vazia,
O candeeiro montou.
Um pavio improvisado,
Na garrafa enfiou.
E foi só colocar gás,
Que o terreiro iluminou.

Contratou um sanfoneiro,
Bom de fole amigo seu.
Assim o primeiro forró,
Na Floresta então se deu.
Até hoje só falhou um,
Foi quando seu pai morreu.

Primeiro sábado de lua cheia,
Em julho p’ro nossos lados.
Dá-se a confirmação,
Do forró mais animado.
Cinqüenta anos de forró,
Zeca tem em seu reinado.

É um forró sem frescura,
Onde toda criatura,
Elegante ou pé no chão,
Dança a noite inteira,
Relembrando o Zé pereira,
Unidos puxando cordão.

Na hora da saideira
O povo de Ipueiras,
Em coro começa a cantar.
É hora de ir embora,
Por que o sol não demora,
Está começando a raiar.

E assim é à volta p’ra casa,
Após uma boa noitada,
Curtida no interior.
E Zeca sorri feliz,
Mais uma vez fez o que quis,
Com a graça de nosso Senhor.

Os olhos de Zeca brilham,
Chegam quase a marear.
É a emoção brotando,
Lá dentro do seu olhar.
Seu orgulho é tão grande,
Que o peito chega a estufar.

Com sua camisa estampada,
Completamente molhada,
Feliz ele volta p’ro lar.
Sabendo que nesta trilha,
Conta com o amor da família,
Que se une para ajudar

11 comentários:

Tereza Mourão disse...

Pois é amiga, acredito que para vc não deve ter sido fácil esta missão. Mas o que nos conforta é saber que um dia todos nos encontraremos do outro lado da vida, e seu Zeca então, com sua missão cumprida, sua alegria, sua humildade e sua maneira simples de tratar todos com carinho. Através de vc conheci este grande homem do bem, me tornei sua fã e tive a alegria de em 2008 participar ao vivo e a cores, deste forró pé de serra e vi a alegria de Seu Zeca em receber a todos, em ver a multidão de pessoas de todas as classes sociais se divertindo e o aplaudindo como realmente ele merece. Seu Zeca, não resta dúvida que o Sr nos deixou muitas saudades, mas em meu coração ficará a sua lembrança e o meu carinho por vc e toda sua familia. Que Deus e os bons espiritos em sua infinita misericórdia o tenha recebido com alegria e com muita luz e que sua familia seja sempre abençoada. Obrigada amigo, por ter existido, e eu ter tido o prazer de o conhecer e me orgulhar deste querido conterrâneo.
Abraços a familia do seu Zeca e aos amigos assim como vc.

Chica disse...

Que pena,Dalinha! Já tinhas falado nele por aqui!Lindatua homenagem e que ele descanse em paz e a família tenha tranquilidade e força.beijos,chica

Airlane de Paula disse...

O Rio de Janeiro tb esta de luto em memoria do "Sr. Zeca Frosino". Amigo de longa data da minha familia. Eu em especial, sempre me senti um pouco filha tb... Aquele jeito que só ele tinha, de falar, de rir, de brincar, e ate mesmo de falar serio... Tive o privilegio de conviver com ele e a familia, desde os meus primeiros anos de vida(alias, acho que ele deve ter acompanhdo ate meu nascimento). E quem nunca participou de uma daquelas grande e tao conhecida festa do mes de julho que todo ano acontecia.... Quem nao teve oportunidade, nao sabe o que perdeu....

Um dos grande presentes que ganhei dele, qdo em 1997, ele despencou do Ceara para o Rio de Janeiro especialmente para celebrar com meus pais o meu casamento. Foi uma grande manifestação de carinho...

Que a familia possa encontrar conforto para superar esta perda.... A Dona Maria, que Deus conceda muita paz e força neste momento tao dificil.... Aos filhos, que tenham serenidade, força e tranquilidade para continuar qq que seja o projeto de vida do pai deles....

E por falar em filhos, "Itamar", meu grande amigo, sentimos muita falta de vc aqui... Qdo for possivel apareça.

Alvaro Oliveira disse...

Amiga Dalinha

Às vezes é dificil falar sobre um amigo, pois por muito que possamos dizer, há sempre algo que nos escapa e não é dito.
No entanto pelo que me foi dado ler
em especial o poema, entendo que a amiga consegui desta forma, prestar a justa homenagem a esse seu amigo. Parabéns

Beijos

Alvaro

Rafaelle Costa disse...

Que honra ter alguém da família Catunda mergulhando nos meus versos. És da mesma família do Márcio Catunda, certo? o diplomata?

Anônimo disse...

Sinto muito minha amiga,// espere qu eu diga // ao teu texto me inclino// ao falar com saudade pura // dessa doce e meiga criatura//não perco o siso, o tino// pois as vezes cruel// a gente acha que age o destino// mesmo Deus levando se ZECA FROSINO // para ir morar no céu!Mas existe uma verdade // nessa infindável recordação: // Zeca Frosino viverá na tua saudade// morando sempre na tua lembrança e no teu coração !... - Abraços com ternura e saudade - Henrique Eduardo.

João Alberto disse...

Olá Dalinha,
Sinto muito pela partida do seu amigo Frosino. Diz Amado Nervo que: "Aqueles que amamos nunca morrem, apenas partem antes de nós".
Meus sentimentos.
Abraços.

Ricardo Aragão disse...

Meus profundos e sinceros sentimentos à família e aos amigos do lendário Zeca Frosino, o qual tive a honra e o prazer de conhecer pessoalmente no aniversário da amiga Dalinha, em Ipueiras, mas que meu pai (também de saudosa memória) conhecia muito bem há muitos anos (segundo o próprio Zeca me disse naquela ocasião).

Triste, pois a Floresta jamais será a mesma sem o Forró do Zeca (com ele no comando). Mas paradoxalmente feliz, por saber que o céu conta com mais um DIGNO servo de DEUS, que, certamente, zelará pelos seus que ficam nesta vida mundana.

Ricardo Aragão
Ipu (CE)

SAM disse...

Dalinha, amiga querida

uma bela homenagem através do texto e do poema. E sei, perfeitamente, este sentir. Mais o ídolo continuará a ser , nas luas cheias e em todas as suas fases, onde das estrelas que brilham, Zeca Frosino fará reflexo no seu olhar.


Carinhoso e amigo abraço.

Edmar Cordeiro disse...

EDMAR FILHO.
A vida de Zeca Frauzino foi uma vida de alegria,nos ensinou muito.Partiu deixou saudades mas o que nos deixa,conformados é por ter deixado amigos uma mutidão de amigos fieis igual voce Dalinha.

Rosário Pinto disse...

Dalinha parabéns pela linda homemnagem feita em prosa e verso para o seu Zeca Frozino. Avalio o quãoimportante era para vocé e todos que puderam desfrutar da sua alegria, descontração e dos forrós em noitew de lua cheia. Por tudo que soube dele,viveu feliz e fez o máximo que idealizou para a sua vida, portanto, amiga querida e familiares-sintam-se em paz - ele, certamente está promovento outros forós onde quer que esteja. Não morremos... apenas ficamos fora do campo de visão de nossos queridos, mas con certeza não ficamos fora de seus pensamntos e lembranbraças. É isto que penso... Aceite ocê e os familiares o abraços de uma pessoa para eles desconhecida, mas que onhece esta passagem, que no início é dolorosa, mas depois se trasmtade em doce lembança. Meu beijo a todos, Rosário