Seguidores

domingo, 1 de junho de 2008

LEITO DE AMOR


Foto do acervo de Bérgson Frota

LEITO DE AMOR

Livrei-me do excesso de roupas
Seminua te encarei.
Não contendo a saudade,
Em teu leito me joguei.

Entreguei-me aos teus carinhos
Chegando a flutuar,
Relembrei quando solícito,
Corrias a me banhar.

Às vezes vinhas tão manso,
Apenas me conduzias.
Encantava-me os rumores,
E o ritmo que imprimias.

Saudades tenho do ímpeto,
Que tinhas em certa estação,
Afoita te provocava,
Provocado jogava-me ao chão.

Um dia embravecera,
Jogando-me num lajedo...
Cobriu-me! Apavorei-me,
Mas logo perdi o medo.

A minha história e a dele
É um grande caso de amor.
Ainda cultivo saudades
Do rio que me banhou.

Toda vez que reencontro
O meu querido Jatobá
Resgato em mim a menina.
Que me alegra o caminhar.

4 comentários:

Dalinha Catunda disse...

Amigos.
O Rio Jatobá, é o rio de minha infância.Fica na cidade de Ipueiras, norte do Ceará.Fui uma menina do interior, aproveitei bem a meninice tomando banhos de nesse rio. As velhas oiticícas ainda bordam de verde as margens do velho rio. Mas infelizmente a poluição já é uma verdade em seu leito.
Dalinha Catunda

Anônimo disse...

Dalinha esta foto que bati na minha primeira vinda depois que fui morar em Fortaleza, retrata com fidelidade sua comovente poesia.Gosto de lembrar do Jatobá cheio, assim como se vê nesta foto que tenho e guardo com muito zêlo. Parabéns pela sentimental poesia.


Bérgson Frota

Dalinha Catunda disse...

Bérgson,
Obrigada por prestigiar sempre este meu espaço.Copiei algumas fotos do Cristo de Ipueiras na Internet entre elas esta que postei junto com meu poema. Sabendo ser de seu acervo faço questão de citar sua autoria. Sei o quanto você é zeloso com o acervo fotográfico e me orgulho de ter contribuido com um punhado de fotos antigas de nossa querida Ipueiras para seu precioso acervo.
Parabéns pela beleza da foto que nos mostra o Jatobá de um ângulo especial onde o alto do Cristo se faz presente.
Um abraço,
Dalinha

Jean Kleber Mattos disse...

Essa tá pra lá de boa! Também me banhei lá, mas a sua maneira de sentir o rio é especial. Parabéns.