Seguidores

segunda-feira, 2 de março de 2009

A ARTE DE APANHAR



A ARTE DE APANHAR

Fui menina levada
Aprontando pelo sertão.
Apanhei de corda e relho,
E bainha de facão.

Tomei benção à palmatória,
Não escapei de cipó,
De cinturão com fivela,
Apanhei de fazer dó.

Já era eu diplomada,
Na arte de apanhar,
Antes que o pau comesse
Já começava a gritar.

Era assim que chamava,
Dos vizinhos a atenção,
E as surras do dia-a-dia
Tinham menor duração.

O certo é que eu apanhava,
Dia sim, outro também,
Mas fazia o que queria
Sem me importar com ninguém.

E foi debaixo de peia,
Que construí meu caminho,
Não se pode colher rosa,
Sem esbarrar em espinhos

Foto do: bp0.blogger.com/.../s400/Palmatória.gif

7 comentários:

Oliver Pickwick disse...

Nesse tempo, a palmatória era uma instituição. Ninguém escapou dela.
Um beijo!

Maria Emília disse...

Ao ler o seu poema recordei como aprendi os verbos em francês ao toque de reguadas. Cada pessoa errada, uma reguada ora na mão esquerda ora direita. Não sei se foi bom ou mau mas o certo é que hoje escrevo muito bem em francês.
Achei interessante o seu blog que quero seguir. Ainda li pouco mas vou voltar.
Até breve
Maria Emília Pires

Nelcima De Morais disse...

OI, Dalinha! É muito interessante seu poema sobre a palmatória. Fez-me lembrar o início de meus estudos. Olha que dava um queimor nas mãos... Abraços, Nelcimá!

O Profeta disse...

És madeira verde
Ou apenas mulher perdida
Testemunha de berço feito de penas
Arca perdida da dor contida

Tudo isto é universo
Em límpida poça de água
Onde as conchas têm a forma de coração
Onde o sal afasta a mágoa

A ti que és minha amiga especial
convido-te a partilhar comigo o “sítio das conchas azuis”




Beijo azul

Jean Kleber Mattos disse...

Velhos tempos os da palmatória! Hoje os professores têm medo dos alunos! Valeu, Dalinha!

João Ananias disse...

Muito interessante Dalinha, lembrei da Tabuada e da palmatória, época em que ou se aprendia ou então a palmatoria comia. Bela lembrança.
Grande abraço.

19650503 disse...

gostei dimais destas rimas sôoooooooo bão di mais agora quanto a leva a minina pru poma e so pra da um beijim uai bração