Seguidores

quarta-feira, 10 de junho de 2009

ENAMORADOS


Foto:amazoniadventure.com/.../6813_namorados.jpg


ENAMORADOS

Sentados no banco da praça
Sob mágicos raios de luar,
Fitavam-se infinitamente
Nem viam o tempo passar.

Cabeça escorada no ombro
Daquele que era seu par,
Beijos e abraços alternados
Entre promessas e o olhar.

Enamorados e felizes
Causavam admiração,
Exibindo farto amor
Enlevados pela paixão.

Quem dera que romantismo
Jamais perdesse sua validade,
Pois aqueles tempos antigos
Confesso deixaram saudades.

Assim eram os namoros
Daqueles tempos de então,
Onde serenatas e flores
Conquistavam coração.

5 comentários:

Oliver Pickwick disse...

Apesar de tudo, sou daqueles que ainda acreditam que o romantismo jamais perde a validade.
Muito bonito o seu poema, faz-me lembrar da minha vida no interior.
Um beijo!

Maria Emília disse...

É bonito de ver. Faz-nos voltar atrás no tempo e parece-nos que ainda foi ontem.
Um beijinho,
Maria Emília

Tais Luso de Carvalho disse...

(...)
'Pois aqueles tempos antigos
Confesso deixaram saudades'.

Dalinha: entre meu tempo de namoro e o de meus filhos, ainda fico com o meu, mesmo sem a liberdade de agora. A gente tinha uma sensação diferente, de mais cumplicidade, de mais segurança na troca de sentimentos. De mais transparência, talvez. Mas eram outros tempos, e outros tempos também virão. É o curso da vida;
que venham as mudanças.

Gostei muito do poema.
Beijos, amiga
Tais luso

João Ananias disse...

Olá Dalinha,
Seus versos e seus textos sempre nos faz recordar os tempos de adolescencia, principalmente de quem morou no interior. Na minha adolescencia os casais namoravam na Praça e era muito romantico. O que vejo hoje é que os adolescentes não namoram mais, eles só dizem que ficam.
Grande abraço e bom fim de semana.

Jean Kleber Mattos disse...

O romantismo sempre existirá e cada vez se renovará mais forte nos versos dos poetas!