Seguidores

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Cachoeiras de Macacu em Tempos de Cultura






Foto 4: Dalinha na sala de cine-Teatro Paschoal Guida, iniciando a Palestra sobre cultura popular.
Foto 3: Dalinha ao lado de Michele Nougueira coordenadora cultural e artistas locais.
Foto 2:Dalinha e um Artesão que trabalha com sementes.
Foto 1:Dalinha entre alunos e artistas locais.

Cachoeiras de Braços Abertos

Cachoeiras de Macacu uma cidade privilegiada pela natureza além dos encantos de suas doze serras e seus mais de vinte seis rios, vem se destacando como forte incentivadora de cultura. Não satisfeita com a cultura local tem se dedicado ao intercâmbio entre diferentes culturas.

Dia 22 de agosto dia do folclore, participei de uma palestra sobre cultura popular. Falei sobre cordel. Mostrei em vídeo o lugar onde nasci. Minha querida Ipueiras. Falei desse mundo mágico onde tudo começou e da magia do cordel.

A partir dessa apresentação os convites para saraus e palestras tem se multiplicado, o que me deixa feliz e agradecida à população cachoeirense.

Dia sete de setembro acontecerá o Primeiro Festival Intermunicipal de Poesias, em Cachoeiras de Macacu “CANTOS DE POETAS.” Estarei participando com alguns poemas.

O Evento acontecerá no Centro Intereducacional de cultura e Artes, na sala de Cine-Teatro Paschoal Guida, a partir das 19 h.


Encantada com a acolhida, não poderia deixar de homenagear a Bela Cachoeiras de Macacu. E com um poema bem singular, pois normalmente, só canto a minha terra.

Cachoeiras de Macacu

Trago no olhar agreste
O verde do mandacaru,
O vento das palmeiras,
O sol quente, o céu azul.
Eu que só canto Ipueiras
Quero louvar Cachoeiras,
E as águas do Macacu.

Mesmo cria do Nordeste,
Não deixo de me encantar,
Com tudo que a natureza,
Deu de presente ao lugar.
Pois o verde dessas matas,
Com belas serras e cascatas,
Fez meu queixo despencar

Cachoeiras de Macacu
Berço de tanta beleza,
Tuas serras e teus rios
São dádivas da natureza.
E o teu velho Jequitibá
Tão imponente e singular
É tua imensa riqueza.

Quantos pontos turísticos
A encantar as nossas vistas.
A cachoeira da amorosa.
E a Pedra da Mariquita.
Tem a Pedra do Faraó,
A do Oratório, e não é só,
Tem mais paisagem bonita.

Berço farto da natureza
Repleta de esplendor.
Estava Deus inspirado
Quando esta terra criou.
Não duvido, tenho certeza,
Por isso canto a beleza
Desse recanto de amor.

Cortada pelo Rio Macacu,
Tem um clima sedutor
Obra prima da Natureza
Invenção de Nosso Senhor.
São teus estes versos que faço.
Aqui deixo o meu abraço,
Nessa declaração de amor.

6 comentários:

Bérgson Frota disse...

Uma bela e criativa poesia. Destaque para a presença sempre estimuladora e construtiva da poetisa nos eventos que divulgam e fazem crescer o gosto e o amor pela cultura.

Oliver Pickwick disse...

Pense, repense e tripense, numa poetisa que, de tão enraizada nos torrões nordestinos, por pouco esta raiz, de tão profunda, não chega lá no Japão.
Não levem muito a sério esta história de que Dalinha só canta Ipueiras. Ora, tamanho é o seu chamego e fidelidade com Ipueiras que, para não deixar esta cidade com ciúmes, ela inventou esse negócio. Aqui entre nós, na verdade Ipueiras é o Nordeste, este pedaço querido do Brasil, exibidor da cultura mais rica e versátil do país.
Parabenizo-a por este trabalho de difundir a nossa cultura, querida amiga.
Axé!

Anônimo disse...

Querida Dalinha,
É uma grande honra para nós cachoeirenses, sermos alvo de seu talento.
Obrigada pelo carinho, participação e divulgação de nosso município.Aguardamo-la com muito amor no Festival de Poesia.
Beijos de uma grande admiradora.
Fátima Santos

Michelle Nogueira disse...

Suas palavras de carinho ao Vale de Macacu, acalanta o sonho cachoeirense da arte, nesta terra serpenteada de lindos riachos e quedas e cachoeiras maravilhosas, cheia de borboletas magníficas e enormes...
...e mistérios.
Mães do ouro passeiam com sacis e curupiras e onde o gigante Jequitibá , mesmo com mais de 1000 anos de idade, não dorme, em vigília à gorda floresta.
Surge a Divindade de Ipueiras , rara e linda, canta suas palavras com a dimensão certeira e profunda do amor a sua terra e ao que faz!

Parabéns!Luz e Paz!E muitos abraços!!!E muitos cordéis.

Sinceros agradecimentos por sua presença e encanto,na celebração do II Encontro de Artesanato e Diversidade Cultural - realizado no Centro Intereducacional de Cultura e Artes em 22/08/2008.

Ricardo Aragão disse...

A Dalinha por onde passa deixa seu rastro. Sua marca. Sempre com muita harmonia e beleza, através de seus versos, extrapola as fronteiras de Ipueiras e, em todos os recantos, deixa aflorar seus mais puros sentimentos, contagiando a todos através de sua porsia.

Com orgulho,
Ricardo Aragão

wellington lyra disse...

Olá Dalinha!!

Saudações da terrinha das águas!
Fico muito feliz em ter você como nova parceria na construção de um ambiente cada vez mais artístico e cultural...

Seja bem vinda a Cachoeiras de Macacu, desfrute de todos os encantos que você (já) conhece e todos os outros que certamente você ainda irá conhecer!...

Beijos!!